Bolsonaro ‘passa recibo’ sobre dobra do desemprego em seu governo; confira

A crise brasileira era preexistente, existia antes mesmo do coronavírus, por isso mesmo o impacto nos trabalhadores durante a pandemia pode ser mais severo ainda do que pinta a Folha –infelizmente.

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) ‘passou recibo’ neste domingo (12), via Twitter, à reportagem da Folha de S. Paulo sobre a dobra do desemprego devido à pandemia do coronavírus.

O jornalão paulistano publicou hoje estudo de pesquisadores da FGV apontando em dois cenários ruins, que necessariamente representarão aumento de desemprego no País.

No mais drástico e real, a Covid-19 poderá potencializar em 12,6 milhões de novos desempregados, qual seja, saltaria para 25 milhões de desempregados. A taxa de desemprego iria para 23,8%.

No cenário mais brando, porém menos factível, o tombo seria de seis milhões de vagas. A taxa de desemprego aumentaria para 17,8%.

Bolsonaro escreve no tuíte que a Folha apoiou as ações “daqueles” que destruíram empregos, mas não determinou os sujeitos. Podem ser Paulo Guedes, a Globo, o sistema financeiro, a Fiesp, enfim…

LEIA TAMBÉM
Pandemia de coronavírus pode dobrar desemprego no Brasil, diz estudo da FGV

Com saudade de Lula, Globo exibe hoje final da Copa do Mundo de 2002

Barroso admite adiamento das eleições municipais

Bolsonaro denuncia que agora querem culpá-lo pela desgraça na economia, eximindo-se, por óbvio, da responsabilidade: “e agora quer culpar o Presidente da República das consequências [tragédia na economia e no desemprego]”.

O Blog do Esmael já registrou meses a fio, dia sim outro também, que Folha, Globo, Bolsonaro et caterva são farinha do mesmo saco.

Pode parecer repetitivo, mas eles [Bolsonaro e a velha mídia] defendem as mesmas bandeiras contra o trabalho e a favor do capital especulativo. Divergem apenas sobre quem vai ficar com as partes mais gordas do Orçamento da União. Ponto.

A crise brasileira era preexistente, existia antes mesmo do coronavírus, por isso mesmo o impacto nos trabalhadores durante a pandemia pode ser mais severo ainda do que pinta a Folha –infelizmente.