Bolsonaro cultiva a ideologia da morte, critica Flávio Dino

Bolsonaro cultiva a ideologia da morte, critica Flávio Dino

Google News

O governador do Maranhão, Flávio Dino (PSB), disse que o presidente Jair Bolsonaro (PL) cultiva a ideologia na morte ao dizer que número insignificante de crianças morreu por covid-19.

“Vamos imaginar que fosse UMA criança. Isso jamais poderia ser chamado de “número insignificante”. Minha solidariedade às famílias desrespeitadas por essa ideologia da morte”, criticou o governador socialista.

Sem alma nem coração, Bolsonaro disse neste sábado (22/01) que as mortes de crianças pela covid-19 no Brasil representam um “número insignificante”.

“Eu desconheço criança baixar no hospital. Algumas morreram? Sim, morreram. Lamento, profundamente, tá. Mas é um número insignificante”, afirmou o desalmado presidente.

De memória curta, Bolsonaro jurou que não faltou UTIs na pandemia entre 2020 e 2021.

“Eu quero a paz, a tranquilidade, que a população decida seu destino. Se você analisar 2020 e 21, mesmo na crise do coronavírus, ninguém ouviu dizer que estava precisando de UTI infantil, não teve.”

As declarações do presidente Jair Bolsonaro ocorre no contexto da cruzada que ele e o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, travam contra a vacinação de crianças com idade entre 5 e 11 anos.

Veja também  Bolsonaro levantou cartaz xingando a Globo de lixo [assista]