Biden defende controle de armas após tiroteio racista nos EUA

► Presidente americano pediu controle de armas mais rígido

O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, disse nesta terça (17/05) em discurso emocional em Buffalo que a supremacia branca é ‘veneno’ ao criticar o racismo na sociedade americana.

Em sua visita a uma comunidade majoritariamente negra, onde um tiroteio em massa deixou 10 mortos, o presidente Biden criticou aqueles que usam discurso de ódio para obter ganhos políticos.

Biden compartilhou as histórias de cada vítima e pediu um controle mais rígido de armas de fogo, denunciando o ataque como terrorismo racista.

O presidente pediu aos americanos que “enfrentem os inimigos” e “rejeitem a mentira” da substituição racial que animou um homem branco que matou a tiros compradores negros na mais recente erupção de violência contra pessoas de cor nos Estados Unidos.

Declarando que “a supremacia branca é um veneno” que percorre os Estados Unidos, Biden voou para esta cidade aflita no oeste de Nova York não apenas para lamentar as 10 pessoas mortas no tiroteio de sábado, mas para confrontar “a ideologia enraizada no medo e no racismo” e acusar políticos conservadores e figuras da mídia de explorá-lo.

No último sábado (14/05), Payton Gendron, de 18 anos, matou 10 pessoas e deixou outras três feridas em um supermercado de Buffalo, no estado de Nova York, chegou a transmitir o crime ao vivo na plataforma Twitch, conhecida por realizar transmissões online. Ele está preso.

A principal suspeita é de que o crime foi motivado por ódio racial, como destacou Biden.

Os Estados Unidos estão em choque com mais esse violento crime.

Veja também  Biden diz por que Trump não pode voltar; o democrata afirma que criou 5 milhões de empregos