Biden conversa com Zelensky antes de grande discurso do Estado da União

Os EUA continuarão enviando armas, dinheiro e ajuda humanitária para a Ucrânia, prometeu o presidente Joe Biden a seu colega Volodymyr Zelensky em uma ligação nesta terça-feira (1º/03).

A Casa Branca não abordou os apelos de Kiev para uma zona de exclusão aérea da OTAN, que os EUA rejeitaram abertamente.

Ucrânia estuda ataque ‘preventivo’ à Bielorrússia

A leitura da Casa Branca da ligação de Biden-Zelensky disse que os dois presidentes discutiram o “apoio contínuo de Washington à Ucrânia”, incluindo “entregas contínuas de assistência de segurança, apoio econômico e ajuda humanitária”.

Biden também disse que os EUA estão “trabalhando para responsabilizar a Rússia, inclusive impondo sanções que já estão causando impacto na economia russa”.

Presidente do México anuncia que país não vai impor sanções à Rússia

Na semana passada, o presidente americano disse que as sanções foram projetadas para ter um efeito de longo prazo.

Economia

O presidente dos EUA se dirigirá ao Congresso ainda nesta terça-feira em seu primeiro discurso oficial sobre o Estado da União desde que assumiu o cargo.

Outro tópico que surgiu na ligação, de acordo com a Casa Branca, foi “a escalada de ataques da Rússia a locais usados ​​por civis na Ucrânia, incluindo o bombardeio de hoje perto do memorial do Holocausto de Babyn Yar”.

Com medo de ser atacada, Bielorrússia pede a Putin que forneça mais mísseis S-400

Zelensky afirmou em um tweet que uma bomba caiu “no mesmo local de Babyn Yar”, levando alguns meios de comunicação dos EUA a relatar que a Rússia havia bombardeado o próprio memorial.

O memorial de Babi Yar fica a quase 300 metros de distância da torre de TV de Kiev, que foi atingida hoje. Cinco pessoas morreram no ataque, disseram autoridades ucranianas.

Os militares russos enviaram um aviso anteriormente de que atingiriam nós de comunicação estrategicamente importantes usados ​​​​pelos militares ucranianos.

WikiLeaks vazou mensagens diplomáticas dos EUA que previam a guerra Rússia-Ucrânia; confira

Babi Yar é o local em que soldados nazistas assassinaram repetidamente os judeus de Kiev durante a Segunda Guerra Mundial, começando com quase 34 mil em dois dias em setembro de 1941.

Moscou ordenou a entrada de tropas na Ucrânia na semana passada para desmilitarizar e “desnazificar” o governo em Kiev, citando o “genocídio” perpetrado contra a população de duas regiões separatistas de Donetsk e Lugansk e a presença de milícias neonazistas como o Regimento Azov na Ucrânia.

Kiev condenou o ataque como uma invasão não provocada, que desde então foi ecoada pelos EUA e seus aliados.