As armas de Greca e a militarização da Guarda Municipal de Curitiba. Foto de Ricardo Marajó/PMC

As armas de Greca e a militarização da Guarda Municipal de Curitiba

Google News

Por Milton Alves*

O prefeito de Curitiba Rafael Greca (DEM) comandou, nesta terça-feira (18/01), uma macabra e inusitada solenidade de bênção do novo armamento de guerra comprado para a Guarda Municipal. Trata-se de armamento adquirido da empresa tcheca Ceska Zbrojovka (CZ), uma fábrica de armamentos de reputação internacional e construída durante o governo comunista da então Tchecoslováquia – atual República Tcheca.

Junto com fuzil russo Kalashnikov, é uma das armas mais comercializadas e contrabandeadas do mundo. Desenvolvida pelos irmãos Koucky, em 1975, dois dos principais engenheiros da empresa CZ, rapidamente ganhou o mercado internacional. No período da chamada guerra fria, a maioria das pistolas do leste europeu adotava o calibre 9 mm Makarov (9 x 18 mm).

Foram compradas pela municipalidade 1.053 pistolas calibre 9 mm para os guardas municipais. O armamento de grosso calibre e potente precisão é utilizado largamente por forças policiais e militares do Leste Europeu. A Coreia do Norte e Israel também fabricam um tipo de pistola bastante semelhante, com as mesmas características de robustez, potência e precisão.

A perigosa militarização da Guarda Municipal

A utilização das armas tchecas, compradas via sistema de pregão eletrônico internacional, significa uma completa e perigosa militarização da Guarda Municipal de Curitiba, uma tendência crescente no país nos últimos anos. A GM de Curitiba é a primeira a utilizar abertamente armamento de guerra dentro do espaço urbano.

O ato de Greca, um homem que se reivindica cristão, está inserido nos marcos do pensamento majoritário vigente que defende a criminalização da pobreza e a militarização crescente do conflito social no país.

A chegada da extrema-direita ao governo federal impulsionou a política de criminalização da pobreza e do extermínio como forma de um pretenso combate à criminalidade. O populismo fascista é o discurso predominante no aparelho policial e de boa parte do Judiciário.

Veja também  Pix: sistema de pagamentos inicia hoje registro de chaves digitais

Criminalização da pobreza

Para o grande público, a extrema direita promete uma política de segurança baseada no armamento individual para a classe média, o Bope e a milícia para “disciplinar” os pobres, e a segurança particular especializada para os mais ricos. Um Estado excludente e classista com um sistema policial repressivo e em aliança com a milícia paramilitar. É o modelo que já vem sendo instituído na prática em diversas regiões metropolitanas e nas fronteiras agrícolas e de extrativismo mineral no extremo norte do Brasil.

A pauta da segurança pública e do combate eficaz ao crime organizado é complexa, de difícil resolução, mas as forças democráticas precisam enfrentar o tema com coragem, propor medidas e desmoralizar a narrativa demagógica do neofascismo bolsonarista.

Questões como a defesa intransigente dos direitos humanos, a reforma do sistema penal, o fim da política de encarceramento em massa, a descriminalização das drogas, o combate duro aos partidos do crime e aos milicianos, mais investimentos sociais nas comunidades pobres, a reformulação da doutrina das forças de segurança e o papel de cada ente da federação são alguns dos desafios para um debate sobre uma política de segurança pública.

Neste ano de eleições para presidente da República, para os governos estaduais e Congresso Nacional, a segurança pública é um tema inevitável na agenda da campanha.

*Milton Alves é ativista social e militante do PT de Curitiba. Autor dos livros ‘A Política Além da Notícia e a Guerra Declarada Contra Lula e o PT’ (2019), de ‘A Saída é pela Esquerda’ (2020) e ‘Lava Jato, uma conspiração contra o Brasil’ (2021) – todos pela Kotter Editorial.

**Com informações da Secretaria de Comunicação de Curitiba/foto de Ricardo Marajó