CPI ouve advogado da Precisa Medicamentos, pivô do escândalo da Covaxin

A CPI da Pandemia ouviu nesta quarta-feira (18/08) Túlio Silveira, advogado da Precisa Medicamentos. Ele é o representante legal da empresa na negociação da vacina indiana Covaxin, da Bharat Biotech, com o Ministério da Saúde. A Precisa é pivô dos escândalos que motivação a instalação da comissão de investigação. O Blog do Esmael transmitiu a sessão ao vivo para o Brasil e o mundo.

A oitiva de Túlio Silveira, que atendeu a requerimento do senador Alessandro Vieira (Cidadania-SE), substitui a acareação entre o ministro do Trabalho e Previdência, Onyx Lorenzoni (DEM-RS), e o deputado Luis Miranda (DEM-DF), inicialmente prevista para esta quarta-feira. Senadores do comando da CPI avaliaram que a acareação não traria nenhum fato novo que ajuda nas investigações.

CPI da Covid ao vivo

Leia também

São tigres de papel os militares ligados a Bolsonaro, revelou depoimento de Braga Netto

Servidores públicos deflagram hoje greve contra a reforma administrativa; confira locais de manifestações

Sergio Reis, após choro, disse que pediu estudo sobre impeachment de ministros do STF

“Não havia, segundo o entendimento dos membros da CPI, muita coisa a acrescentar” disse o relator da CPI, senador Renan Calheiros (MDB-AL), que confirmou que pretende apresentar o relatório final em setembro.

Vice-presidente da comissão, o senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP) apontou que senadores consideraram que a acareação poderia ser mais um palco para mentiras como as do líder do governo Ricardo Barros (PP-PR) na semana passada.

“Festival igual a esse não parece de bom tom repetirmos na CPI. A acareação não ocorrerá amanhã e, a não ser que haja um fato superveniente, não acho necessário remarcá-la”, avaliou.

Habeas Corpus

Túlio Silveira vai comparecer à CPI munido de um habeas corpus. Ele ingressou no Supremo Tribunal Federal (STF) para não comparecer. Ele alegou “sigilo profissional” para não ser “compelido a depor sobre a Precisa na CPI, sob pena de cometimento do crime de violação do sigilo funcional”. O argumento não foi aceito pelo ministro Luiz Fux, que acatou apenas parcialmente o pedido de Túlio que o permite não responder a perguntas que pudessem incriminá-lo.

Segundo o ministro, na qualidade de testemunha de fatos em tese criminosos, o depoente tem o dever de comparecer e de dizer a verdade, não havendo, quanto a tais fatos, o direito ao silêncio, ao não comparecimento ou o abandono da sessão.