Alvaro Dias dá guinada à esquerda; assista

O senador Alvaro Dias (PV-PR) surpreendeu nesta quinta-feira (30), da tribuna, ao descer a borduna no ministro da Fazenda Henrique Meirelles pelo aumento de impostos.

Assista ao vídeo:

Alvaro deu uma guinada completa à esquerda ao fuzilar o aumento da dívida, dos juros, o desemprego, as reformas trabalhista e da previdência.

A cientista política Ana Bitiruc, em tom de ironia, disse que o parlamentar fez um discurso de “rompimento” com o PV – e o governo Michel Temer – para ingressar no “Phodemos” – referindo-se ao “Podemos”, partido inspirado num movimento político espanhol.

“Henrique Meirelles passa a impressão de que é mais ministro da Fazenda do Sistema Financeiro do que ministro da Fazenda do País”, disparou Alvaro.

O parlamentar lembrou que a dívida pública brasileira consome 52% de tudo que o governo arrecada, e já ultrapassa os R$ 3 trilhões.

“Já ouvimos o governo falar de reforma da previdência, de reforma trabalhista, mas não vejo falarem nada sobre a monstruosa dívida pública”, atacou.

O senador do PV disse que pediu a auditoria na dívida pública. “Só os bancos e os banqueiros são beneficiados com essa dívida e o pagamento de juros”.

“Aumentar os impostos é semear o infortúnio entre os brasileiros que trabalham. Aumentar os impostos é uma trombada na realidade do País.”

Alvaro Dias afirmou que o desemprego é o grande drama da família brasileira. “Não é com aumento de impostos que teremos a retomada na geração de emprego e renda.”

“O trabalhador, o aposentado, o empresário que paga impostos, não são eles os responsáveis pela crise que se aprofundou no Brasil.”

Para Alvaro, não são fracassados os brasileiros. Fracassados são os que governam e que levam o País a uma crise monumental como a que nós estamos vivendo.

Veja também  Lula não está morto, alerta Globo, após pesquisa do Ibope

Por fim, Alvaro apontou o pagamento de juros como responsável pelo rombo no orçamento.

“O responsável pelo rombo no orçamento não é a Previdência. O rombo no orçamento decorre do aumento de recursos para o pagamento da dívida.”

Comments are closed.