Agências “fact checking” continuam mudas sobre fake news da mídia no caso ONU

Google News

Cri cri cri cri. As agências “fact checking” continuam mudas e caladas. Nada comentaram ou “investigaram” sobre as fake news da velha mídia no caso ONU, que decidiu favoravelmente pela candidatura de Luiz Inácio Lula da Silva.

Essas agências “fact checking” — leia-se Lupa, Fatos ou Fakes, Aos Fatos, et caterva — têm tudo para não sobreviver um verão. Foram criadas apenas para uma empreitada, as eleições de 2018.

LEIA TAMBÉM
A Lupa que só enxerga o que interessa aos patrões

O Blog do Esmael dá uma contribuição para as “fact checking” que nada checam se contrariar os interesses dos patrões e do poder econômico: o Brasil é signatário de acordos internacionais. Em 2006, por exemplo, o governo brasileiro foi condenado pela OEA por omissão, negligência e tolerância em casos de violência doméstica. Foi a partir daí, com essa constrangedora decisão, que surgiu a Lei Maria da Penha.

Agora, em 17 de agosto de 2018, a Comissão de Direitos Humanos da ONU condenou o Brasil por desrespeitar a Constituição Federal que assegura a presunção de inocência e os direitos políticos dos cidadãos. A decisão liminar tem caráter imediato e obrigatório. A reclamação foi protocolada por Lula em outubro de 2016.

Veja também  Ao vivo: Senado vota auxílio emergencial