A pesquisa Quaest massacrou Bolsonaro, avalia o Palácio do Planalto

O presidente cessante Jair Bolsonaro (PL) ainda lambe as feridas deixadas pela pesquisa Quaest, divulgada nesta quarta-feira (08/06).

Segundo o levantamento, o ex-presidente Lula (PT) vence a disputa de outubro próximo no primeiro turno.

A sondagem da Quaest coloca uma lupa nas questões econômicas, que são todas desfavorável ao inquilino do Palácio do Planalto.

Sob o governo Bolsonaro, a fome voltou asssombar os brasileiros apesar de o país ser o maior produtor de alimentos do mundo.

O 2º Inquérito Nacional sobre Insegurança Alimentar no Contexto da Pandemia da Covid-19 no Brasil, realizado pela Rede Brasileira de Pesquisa em Soberania e Segurança Alimentar e Nutricional (Rede PENSSAN), aponta um quadro de aumento da miséria, que ajuda explicar o tombo de Bolsonaro nas pesquisas de intenção de votos:

► 125,2 milhões têm insegurança alimentar.

► 33,1 milhões passando fome.

Dobrou o contingente em situação de fome estimado em 2020, segundo o levantamento.

Voltemos à pesquisa eleitoral da Quaest.

Para 44% dos eleitores brasileiros, o principal problema do Brasil é a economia ante 11% que ainda acham que é a corrupção.

57% disseram que sua capacidade de pagar contas nos últimos três meses piorou, enquanto 63% veem piora na economia no último ano.

A maioria (56%) afirma que a economia influenciará seu voto, mas 20% garantem que não influenciará sua decisão nas urnas.

A pesquisa Quaest ainda destaca que 62% dos entrevistados acreditam que compravam mais com o salário na época de Lula, enquanto 10% atribuem isso a Bolsonaro.

Os eleitores brasileiros se informam sobre política por TV (45%), redes sociais (25%), outros (16%), sites, blogs e portais de notícias (12%).

– A pesquisa Quaest massacrou Bolsonaro – confidenciou ao Blog do Esmael um parlamentar bolsonarista com trânsito fácil no Palácio do Planalto.

Veja também  Russomanno virou em cima de Covas na disputa em SP, diz pesquisa

A pesquisa ouviu 2.000 pessoas presencialmente entre 2 e 5 de junho. O nível de confiança é de 95% e a margem de erro é de dois pontos percentuais para mais ou para menos. O levantamento está registrado no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) sob o protocolo BR-03552/2022.

Clique aqui para ler a íntegra da pesquisa Quaest.