Salário mínimo deveria ser R$ 5.518,79 em outubro, diz o Dieese

R$ 5.518,79 deveria ser o salário mínimo em outubro, diz o Dieese

O Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese) afirma que o salário mínimo nacional de outubro deveria ser de R$ 5.518,79, valor 5,35 vezes maior que o piso nacional atual (R$ 1.100). Uma indecente discrepância, aponta o órgão de pesquisa, pois esse valor não atende às necessidades básicas de uma família brasileira.

O levantamento se deu com base nos resultados da Pesquisa Nacional da Cesta Básica de Alimentos e levou em consideração o salário mínimo para sustentar uma família de quatro pessoas, dois adultos e duas crianças.

Segundo o Dieese, a cesta básica mais cara entre as 17 capitais pesquisadas foi a de Florianópolis: R$ 700,69 enquanto a cesta de menor preço foi a de Aracaju, de R$ 464,17.

Em outubro, quem ganha um salário mínimo consumiu quase 60% da renda líquida para comprar os 13 produtos da cesta, que são:

  • carne;
  • leite;
  • feijão;
  • arroz;
  • farinha;
  • batata;
  • legumes (tomate);
  • pão francês;
  • café em pó;
  • frutas (banana);
  • açúcar;
  • banha/óleo; e
  • manteiga.

Segundo os dados divulgados pelo Dieese nesta sexta-feira (05/11), em outubro o custo médio da cesta básica aumentou em 16 capitais – a exceção foi Recife (-0,85%). As maiores altas foram registradas em:

  • Vitória (6%);
  • Florianópolis (5,71%);
  • Rio de Janeiro (4,79%);
  • Curitiba (4,75%); e
  • Brasília (4,28%).

No ano, o aumento vai de 1,78% (Salvador) a 18,42% (Curitiba). Já no acumulado em 12 meses, o preço médio da cesta básica sobe até 31,65% (Brasília). Três capitais têm acima dos 20%: Campo Grande (25,62%), Curitiba (22,79%) e Vitória (21,37%). Em São Paulo, a cesta aumentou 3,02% em outubro, 9,87% no ano e 16,43% em 12 meses.

Horas trabalhadas para comprar a cesta

O tempo médio necessário para adquirir os produtos da cesta aumentou para 118 horas e 45 minutos. Três horas e 43 minutos a mais do que no mês anterior. Quem ganha o salário mínimo gastou o equivalente a 58,35% de sua renda líquida para comprar os alimentos básicos – em setembro o percentual ficou em 56,53%.

O que subiu mais, segundo o Dieese

A batata subiu de preço nas 10 capitais dos estados do Centro-Sul, onde a pesquisa é feita. O aumento variou de 15,51% (Brasília) a 33,78% (Florianópolis).

O quilo do café subiu em 16 capitais. A alta chegou a 10,14% em Vitória e a 10,06% no Rio de Janeiro.

O quilo do tomate subiu em 16 capitais, chegando a 40,16% em Brasília, 42,16% em Natal, 44,83% em João Pessoa e a 55,54% em Vitória.

O preço do açúcar aumentou em 15 capitais e o do óleo de soja, em 13, enquanto leite e manteiga subiram em 11 cidades. Já o preço do feijão diminuiu também em 11 capitais.

Com informações da CUT

Leia também

XP Investimentos reivindica poderes sobrenaturais de Mãe Dináh na eleição de 2022

Jornais da velha mídia corporativa perdem influência e relevância no País

Ratinho Junior promete Natal sem máscara enquanto silencia sobre pedágio e ICMS dos combustíveis