Na Globo, Sergio Moro revelou Afonso Celso Pastore como seu "Posto Ipiranga" na economia caso seja eleito [Deus nos livre e guarde!]

Na Globo, Sergio Moro revelou Afonso Celso Pastore como seu “Posto Ipiranga” na economia caso seja eleito [Deus nos livre e guarde!]

Errar uma vez é humano, duas é burrice. O presidente Jair Bolsonaro eleito em 2018, antes de assumir, anunciou que Paulo Guedes seria seu “Posto Ipiranga” na economia. Agora, seguinte o mesmo script, o suspeitíssimo ex-juiz Sergio Moro (Podemos) anunciou em entrevista na TV Globo o nome de Celso Pastore como seu “Posto Ipiranga”, caso seja eleito em 2022 [Deus nos livre e guarde dessa maldição!].

No programa de entrevistas “Conversa com Bial” nesta terça-feira (16/11), da Globo, sentindo-se em casa, Moro disse que está pronto para ser candidato à presidência da República.

O suspeito ex-juiz declinou ao jornalista Pedro Bial que terá como seu “Posto Ipiranga” o economista Affonso Celso Pastore, autor do recém-lançado “Erros do passado, soluções para o futuro: A herança das políticas econômicas brasileiras do século XX”.

“No nível macroeconômico quem tem me ajudado é um economista de renome, um dos melhores nomes do país, alguém que eu conheço há muito tempo, que é o Affonso Celso Pastore”, disse Sergio Moro, sem mencionar que seu “Posto Ipiranga” já serviu aos governos da ditadura militar.

Na entrevista desta vez, Bial não perguntou qual livro Sergio Moro está lendo. O entrevistador também não submeteu o suspeito ex-juiz e ex-ministro ao polígrafo [detector de mentiras].

Leia também

Sergio Moro anuncia turnê de lançamento em dezembro. Agora vai?

Ao invés de uma estátua de Getúlio ou Lula, B3 prefere afirmar viralatismo com o chifrudo “Touro de Ouro”

Requião reage: ‘Nem a pau, Ratinho!’

Quem é o “Posto Ipiranga” de Sergio Moro, quem é o Affonso Celso Pastore

O “Posto Ipiranga” de Sergio Moro, Affonso Celso Pastore, nasceu em São Paulo, em 1939. Em 1961, se formou em economia Faculdade de Ciências Econômicas e Administrativas da Universidade de São Paulo (FEA-USP). Tornou-se doutor em economia ao terminar o doutorado na mesma universidade, em 1969.

Em 1966, foi assessor do secretário da Fazenda do Estado de São Paulo, Antônio Delfim Neto, na gestão do governador Laudo Natel. No ano seguinte, virou ministro da Fazenda.

Entre 1967 e 1973, integrou a assessoria conjunta dos ministérios da Fazenda e do Planejamento. Em 1968, fez parte da delegação do governo brasileiro na reunião do FMI, em Washington.

Na década de 1970, coordenou o grupo de pesquisas do IPEA e assumiu a coordenação de pesquisa do IPE. Também participou da Associação Nacional dos Centros de Pós-Graduação em Economia. Ele fez parte das atividades ligadas ao National Bureau of Economic Research.

Chegou a trabalhar fora do país e assessorou o Uruguai em projetos de políticas de estabilização e balanço de pagamentos. Ainda trabalhou no board of trustees do International Research Institute (IFRI).

Em março de 1979, foi convidado pelo governador José Maria Marin para ser secretário dos Negócios da Fazenda de São Paulo. Também fez parte do conselho técnico do Instituto de Economia Gastão Vidigal, em 1980. No ano seguinte, se tornou membro do conselho consultivo da Associação Brasileira das Indústrias Elétricas e Eletrônicas.

Em 1983, não quis responder pelo estouro no orçamento do estado por conta dos gastos da Paulipetro. Ele atribuiu a responsabilidade ao então secretário da Indústria, Comércio, Ciência e Tecnologia, Osvaldo Palma. Deixou a Secretaria da Fazenda em março.

“Posto Ipiranga” de Moro foi presidente do Banco Central

Em agosto de 1983, o ministro da Fazenda, Ernâni Galveias, convidou o “Posto Ipiranga” de Sergio Moro para ser presidente do Banco Central. Ao tomar posse, não quis fazer medidas de choque. Seu objetivo era seguir as diretrizes dos compromissos firmados com o FMI. Também projetou crescimento negativo do PIB para os anos seguintes.

Ele assumiu o cargo diante de forte crise da dívida externa, culpa da opção de crescimento com endividamento feito na década de 1970. E que piorou no choque do petróleo, em 1979.

Em março de 1985, deixou a presidência do Banco Central. Foi o último presidente da instituição da Ditadura Militar do Brasil. Ao longo da sua carreira, tornou-se uma figura poderosa apenas no período em que os militares comandaram o país.

Ele obteve sucesso na iniciativa privada, escrevendo livros.

Com informações do DCM