Estadão estimula "medo" de Lula e PT nas eleições de 2022; PiG é contra o povo

Estadão estimula “medo” de Lula e PT nas eleições de 2022

Em editorial desta segunda-feira (1º/11), o Estadão tenta retomar a política do medo contra Lula e o PT.

“Foi o medo de um quinto mandato lulopetista que alavancou o apoio de parte do empresariado a Bolsonaro em 2018”, diz o jornalão paulistano.

Meia verdade. A burguesia paulistana, associada à especulação financeira, grita ‘olha aí o ladrão’ para distrair o público e arrancar-lhe a carteira do bolso. É a velha tática da velha mídia corporativa.

Os jornalões hoje funcionam como braços de fundos de investimentos e por isso especulam com a notícia, ao invés de informar a sociedade. Eles deixaram de cumprir função social para privilegiar o capital contra o trabalho.

Embora o editorial do Estadão faça críticas ao autoritarismo do presidente Jair Bolsonaro concorda ipsis litteris com a política neoliberal que retirou direitos dos trabalhadores e empobreceu os brasileiros, jogou milhões ao desemprego e outros milhões à fome e à miséria.

Enquanto faz campanha contra o “retorno do lulopetismo”, o Estadão encobre os aumentos abusivos nos preços dos combustíveis.

Por outro lado, os barões da carcomida velha mídia corporativa –verbalizada pelo Estadão– pedem mais arrocho e radicalização do projeto neoliberal com “arranque ao novo marco do saneamento básico ou encampar privatizações e reformas, como a tributária e a administrativa”. Ou seja, os jornalões querem uma “terceira via” capaz de ampliar o tamanho e a intensidade do ferro nos brasileiros.

Leia também

Em busca de trégua com a velha mídia, Bolsonaro sinaliza com a privatização da Petrobras

Lula também vence na Ipsos; Sergio Moro volta a ser a ‘arma secreta’ da velha mídia para 2022

Bolsonaro ainda continua sendo reserva técnica da direita e da velha mídia corporativa para 2022

Moro não tem toga e não vai ter faixa presidencial, por Arilson Chiorato