Câmara aprova em 2º turno PEC dos Precatórios; veja como ficou a proposta

Câmara aprova “PEC do Calote” em votação apertada, com apenas 4 votos além dos necessários

O texto-base da PEC do Calote obteve 312 votos contra 144 e para concluir a votação da matéria em 1º turno os deputados precisam analisar os destaques apresentados pelos partidos na tentativa de mudar trechos da proposta. Não há ainda data definida para essa sessão.

A polêmica PEC 23, também chamada de PEC dos Precatórios, obteve apenas quatro votos acima os necessários [308 votos] para a aprovação em plenário. Deputados do PDT e do PSB votaram a matéria com o governo, a exemplo de Aliel Machado (PSB-PR).

O presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), cozinhou o galo quanto pôde temendo mais uma derrota –por isso a votação só ocorreu na madrugada desta quinta-feira (04/11).

Precatórios são dívidas do governo com sentença judicial definitiva, podendo ser em relação a questões tributárias, salariais ou qualquer outra causa em que o poder público seja o derrotado.

De acordo com o texto aprovado, os precatórios para o pagamento de dívidas da União relativas ao antigo Fundef deverão ser pagos com prioridade em três anos: 40% no primeiro ano e 30% em cada um dos dois anos seguintes. Essa prioridade não valerá apenas contra os pagamentos para idosos, pessoas com deficiência e portadores de doença grave.

O calote previsto é de R$ 50 bilhões, se aprovada a PEC. Os precatórios não pagos atingem a educação, dizem os oposicionistas.

Artur Lira já perdeu a votação da PEC que modificava a composição do Conselho Nacional do Ministério Público, por isso ele estava bastante ressabiado.

Embora o governo Jair Bolsonaro chantageie dizendo que os recursos serão para o Auxílio Brasil, a PEC do Calote nada tem a ver com o benefício aos vulneráveis.

Assista a íntegra da sessão:

Leia também

Anti-Moro: André Vargas vem aí como candidato a deputado federal pelo Paraná

Bolsonaro vai farrear em Dubai após faustosa viagem de Ratinho Junior no Oriente Médio

Petrobras reproduz discurso mentiroso de Bolsonaro sobre culpa de governadores pelos preços dos combustíveis [vídeo]