Argentina vai às urnas neste domingo para escolha de deputados e senadores

Argentina vai às urnas neste domingo para escolha de deputados e senadores

As eleições legislativas na Argentina serão neste domingo, dia 14 de novembro, quando serão eleitos 127 deputados e 24 senadores. Os candidatos das listas que ultrapassaram o piso de 1,5% dos votos válidos nas Primárias Aberta, Simultânea e Obrigatória (PASO) de 12 de setembro disputarão as cadeiras no Congresso.

Eleições 2021: onde votar em 14 de novembro
O caderno eleitoral contém 34.332.992 cidadãos argentinos autorizados a votar em todo o país no PASO. Haverá um total de 101.457 mesas para votação.

São mais de 385 mil argentinos que residem no exterior e estão registrados para votar. Se for o caso, devem votar na Representação Consular correspondente ao distrito onde cada um reside.

Este ano, muitos eleitores descobriram no PASO que estavam votando em um lugar diferente do que nas eleições anteriores. As mudanças foram mais do que o normal e se deviam ao fato de que, como resultado da pandemia covid-19, mais centros de votação foram habilitados para evitar grandes multidões. Mas nas eleições gerais, todos vão votar no mesmo lugar que votaram em 12 de setembro.

O que é votado nas eleições de 2021
Os candidatos eleitos em 14 de novembro assumirão as cadeiras do Senado e dos Deputados no mês de dezembro. Assim, será realizada a renovação parcial de ambas as Câmaras estabelecidas pela Constituição.

Os candidatos a deputados serão votados em todas as províncias. Na Câmara Baixa, Juntos pela Mudança coloca 60 cadeiras em jogo; a Frente de Todos, 51.

As províncias que renovam sua representação no Senado são oito: Corrientes, Tucumán, Catamarca, Córdoba, Mendoza, Chubut, La Pampa e Santa Fe. Na Câmara Alta Frente de Todos deve renovar 15 assentos contra 9 de Juntos por el Cambio.

Leia também

PT denuncia censura a Lula durante encontro com novo chanceler da Alemanha Olaf Scholz

Steve Bannon, conselheiro de Trump e Bolsonaro, próximo de ser preso nos EUA

Deu no New York Times: Bolsonaro não vai reconhecer a derrota nas urnas em 2022