Caravana Requião Me Chama Que Eu Vou, em Ponta Grossa, reuniu lideranças de nove partidos e 14 municípios da região dos Campos Gerais. Foto: Eduardo Matysiak

Requião prevê vitória de Lula e prega reestatização em caravana pelo governo do Paraná [vídeo]

Pré-candidato ao governo do Paraná, Roberto Requião, levantou a militância de nove partidos de 14 municípios na região de Ponta Grossa, nos Campos Gerais, onde sua caravana pela volta ao Palácio Iguaçu [sede do governo estadual] passou na manhã de sábado (23/10). Ele previu a vitória de Lula em 2022 e pregou a reestatização e controle de empresas públicas.

Participaram lideranças regionais dos seguintes partidos:

  • PT
  • PSOL
  • PSC
  • PCdoB
  • PDT
  • PSC
  • PSB
  • MDB
  • PODEMOS

Requião disse que fica indignado quando vê pessoas comendo sopa de osso e assando pé de galinha fim de semana. “Como é que alguém passa fome enquanto o país é maior produtor de alimentos do mundo?”, questionou. “Por que ninguém se levanta quando vê mulheres famintas assaltado caminho de lixo em busca de resto de comida dos mais ricos?”

Pré-candidato ao governo do Paraná disse que pode dar um jeito no estado e ajudar a mudar o Brasil.

Ele falou a representantes desses municípios, que embarcaram na “Caravana Requião” em PG:

  • Ponta Grossa
  • Castro
  • Ivaí
  • Carambeí
  • São João do Triunfo
  • Palmeira
  • Campo Largo
  • Reserva
  • Tibagi
  • Irati
  • Arapoti
  • Curitiba
  • Telêmaco Borba
  • Imbaú
Caravana Requião Me Chama Que Eu Vou, em Ponta Grossa, reuniu lideranças de nove partidos e 14 municípios da região dos Campos Gerais. Foto: Eduardo Matysiak
Caravana Requião Me Chama Que Eu Vou, em Ponta Grossa, reuniu lideranças de nove partidos e 14 municípios da região dos Campos Gerais. Foto: Eduardo Matysiak

Requião disse que as empresas públicas foram previstas na Constituição para oferecer serviços a preços módicos e estimular o desenvolvimento econômico. No entanto, denunciou, as estatais estão sendo usadas para fazer dinheiro para sócios privados às custas dos consumidores.

Segundo Requião, ao congelar as tarifas de água e luz por oito anos –em seu governo—estabeleceu um círculo virtuoso cujo dinheiro foi parar na padaria, no mercado, na construção civil.

“[Ratinho] faz um pequeno governo com grande negociata. Está cobrando absurdos nas contas de energia, sem um investimento significante na Copel, mas está pagando R$ 1,5 bilhão para acionistas privados”, disse. “O acionista dessas companhias públicas deve ser o povo, não o mercado.”

Ao fazer um balanço sobre os avanços obtidos pela educação em seus três governos, Roberto Requião disse que os professores são adversários de uma “quadrilha privatizante” que quer liquidar com o ensino público.

O pré-candidato ao governo do Paraná ironizou seus adversários que o criticam pela idade. “Eu tenho 80 anos, mas corpinho de 44 anos.” Segundo ele, após um check-up médico, afirmou que tem mais 40 anos de vida pública útil –depois se aposenta. “Afinal, os cabelos brancos têm uma finalidade:  experiência como prefeito de Curitiba, governador três vezes e duas vezes senador.”

“Lula é virtualmente o presidente da República, pelas pesquisas que leio. Vamos dar comida três vezes ao dia, mas eu quero a devolução da Petrobras, da Eletrobras, e companhias de água para o Brasil. Isso tem que ficar claro”, discursou, defendendo a reestatização de empresas públicas.

Segundo Requião, o presidente Jair Bolsonaro tem a “miséria” de 22% das intenções de voto no Paraná. “É uma miséria para quem teve 74% na eleição de 2018”, disse, sob os olhares atentes da presidente nacional do PT, deputada Gleisi Hoffmann, e do presidente estadual do PT no Paraná, deputado estadual Arilson Chiorato.

Assista ao vídeo da Caravana Requião em Ponta Grossa:

Leia também

Sergio Moro não conseguiu nem eleger vereador em Curitiba

Sobre o ‘teto furado’ e a ‘picaretagem neoliberal’ de Paulo Guedes e Jair Bolsonaro

Rodrigo Pacheco filia-se ao PSD de olho na vice de Luiz Inácio Lula da Silva na eleição de 2022

PT denuncia fraude de R$ 40 milhões na compra de uniformes nas escolas cívico-militares de Ratinho Junior