Papa Francisco pede o estabelecimento de 'um salário universal para cada pessoa' e a redução da jornada de trabalho

Papa Francisco pede criação de ‘um salário universal para cada pessoa’ e a redução da jornada de trabalho

O Papa Francisco defendeu neste sábado “um salário universal, para que cada pessoa neste mundo possa ter acesso aos bens mais básicos da vida” e “a redução da jornada de trabalho”, como medida para um maior acesso ao trabalho para todos. “Este sistema, com sua implacável lógica de lucro, está escapando de todo domínio humano. É hora de frear a locomotiva, uma locomotiva descontrolada que nos leva para o abismo. Ainda temos tempo”, disse o pontífice em mensagem sobre o ocasião do IV Encontro Mundial dos Movimentos Populares.

Na mensagem, o Papa destacou a necessidade de mudar o atual sistema socioeconômico e pediu aos governos, políticos, empresas e líderes religiosos que ajudem nesse objetivo, ao mesmo tempo em que exige “a liberação de patentes” de vacinas, perdão de dívidas dos países pobres e da cessação da destruição de “florestas, pântanos e montanhas”, por parte das grandes empresas extrativistas; da contaminação de rios e mares, e do envenenamento “de cidades e alimentos”.

Francisco também pediu aos países poderosos que parassem com as agressões: “Não ao neocolonialismo”, disse ele, acrescentando que a ONU deve ser o órgão para resolver os conflitos porque “já vimos como as intervenções unilaterais, invasões e ocupações terminam, mesmo que sejam feitas. sob os mais nobres motivos ou vestimentas”.

O Santo Padre pediu ainda aos governos e aos políticos que “trabalhem pelo bem comum”, cuidem de “não escutar apenas as elites econômicas” e “sejam servos dos povos que clamam por terra, abrigo, trabalho e vida boa” e aos dirigentes religiosos que “nunca usam o nome de Deus para fomentar guerras ou golpes de estado”.

O líder da Igreja Católica também se referiu aos “protestos pela morte de George Floyd”. “É claro que este tipo de reação contra as injustiças sociais, raciais ou sexistas pode ser manipulada ou orquestrada”, mas “aquele movimento não passou quando viu a ferida da dignidade humana atingida por tal abuso de poder”.

O Papa mencionou “medidas concretas que podem permitir algumas mudanças significativas”, como “a integração urbana, a agricultura familiar, a economia popular. A estas, que ainda exigem continuar a trabalhar em conjunto para as alcançar, gostaria de acrescentar mais duas: a criação de um salário universal e redução da jornada de trabalho”.

O Papa Francisco ainda reivindicou “uma renda básica (o IBU) ou salário universal, para que cada pessoa neste mundo possa ter acesso aos bens mais básicos da vida”, bem como uma análise séria da redução da jornada de trabalho como elemento redistributivo da a carga de trabalho da população.

Assista ao vídeo com o Papa

Leia também

Quatrocentos padres e bispos da Igreja Católica fazem levante contra Bolsonaro em Aparecida; leia a íntegra do manifesto

No Dia Mundial da Alimentação, 50 milhões de pessoas passam fome no Brasil

Aprosoja ocupada pela Via Campesina é símbolo da fome e de atos antidemocráticos no País