O Brasil 247 desnudou o esquema 'Estado mínimo' e 'negociatas máximas' com vazamento de áudio do banqueiro André Esteves

O Brasil 247 desnudou o esquema ‘Estado mínimo’ e ‘negociatas máximas’ com vazamento de áudio do banqueiro André Esteves

O ex-senador Roberto Requião fora no Congresso Nacional um militante assíduo na denúncia do capital vadio e de suas mazelas na sociedade. Agora, com o vazamento do áudio do banqueiro André Esteves, pelo portal Brasil 247, em um evento fechado do BTG Pactual com clientes, Requião denuncia que o dono do banco advoga o ‘Estado mínimo’ e ‘negociatas máximas’. “De minha parte indignação absoluta”, disse o pré-candidato ao governo do Paraná.

Garganta, Esteves entregou que mantém ligações perigosas com Arthur Lira (PP-AL), presidente da Câmara dos Deputados, e de Roberto Campos Neto, presidente do Banco Central, e revelou que discute, opina e influencia na política econômica do país. Sim, um banqueiro dirige de fora do governo a economia pública brasileira. Os áudios vazados pelo 247 indicam que o dono do BTG trata agentes públicos como subalternos e seus prepostos.

Aliás, na semana passada, o ministro da Economia, Paulo Guedes, havia cometido um ato falho dizendo que no lugar de Bruno Funchal, que pediu demissão do cargo de secretário especial do Tesouro e Orçamento, estaria entrando o banqueiro André Esteves.

O supersincero André Esteves falou para cerca de 30 pessoas em um evento interno do BTG chamado “Future Leaders” [Líderes do Futuro], na última quinta-feira (21/10), cujo ambiente à vontade permitia várias gargalhadas dos participantes.

No áudio, o banqueiro compara o impeachment de Dilma Rousseff –considerado um golpe contra a democracia e o PT– à ditadura militar de 1964, que durou até 1985. Nesses vinte anos de escuridão, a Comissão Nacional da Verdade reconheceu 434 mortes e desaparecimentos no País –além de torturados e sequelados pelo regime fardado.

“Quando a Dilma endoideceu, alguém foi lá e: ‘peraí, vamos dar uma parada nisso’. Todo o golpe de 64, quando as pessoas me perguntavam com o Bolsonaro falando aquele excesso de besteira, [sobre] golpe, [eu dizia] é muito diferente. Se você for fazer uma analogia sobre 64 com hoje, a coisa mais parecida… 64 foi meio o impeachment da Dilma”, afirmou o banqueiro. “Acho que no dia 31 de março não teve nenhum tiro, ninguém foi preso, as crianças foram para escola, o mercado funcionou. Com simbolismos, linguagens, personagens da época, mas a melhor analogia é o impeachment da Dilma.”

Para o banqueiro André Esteves, Jair Bolsonaro seria favorito na eleição de 2022, se o presidente da República ficasse calado.

O Blog do Esmael selecionou os “melhores momentos” da fala de André Esteves:

  • “Arthur, vou dar uma palestra aqui já já, se você quiser você dá um pulo aí. Mas não está legal, né?”;
  • “O mercado está inseguro porque como muita bobagem foi dita nos últimos meses, tem uma natural insegurança. Agora tem vale-caminhoneiro, tem não sei o quê, vira uma confusão generalizada e ninguém sabe direito onde isso vai parar”;
  • “O que está criando a insegurança não é o Bolsa Família ou Auxílio Brasil de R$ 400. Dá para ser R$ 400, vai mudar pouco o déficit no Brasil. O que o mercado está estressando é com a dinâmica. O que é que vem depois? R$ 400 é fácil de encarar”;
  • “O Bolsa Família é um ótimo programa, a gente está sendo razoavelmente disciplinado no fiscal, mas a dúvida é se essa dinâmica vai quebrar nossa âncora fiscal, que hoje é o teto, com todos os seus defeitos. É uma coisa que tem nos ajudado em termos de credibilidade”;
  • “Eu me lembro que os juros estavam amanhecendo a uns 3,5% e o Roberto me ligou para perguntar: ‘pô, o que você está achando, onde você acha que está o lower bound [limite inferior]?’ Eu falei, ‘olha, Roberto, eu não sei onde é que está, mas eu estou vendo pelo retrovisor, porque a gente já passou por ele.’ Em algum momento a gente se achou inglês demais e levou esses juros a 2%”;
  • “Não acho que está acontecendo muita coisa não. Está acontecendo uma correção, obviamente é um momento de cautela. A variável que está muito fora de lugar não é a Bolsa nem os juros, é o câmbio”;
  • “Eu acho que o Brasil está barato demais com esse dólar aí a casa R$ 5,70, e eu acho que não tem razão institucional para o Brasil estar com esse dólar”;
  • “Pelo caráter fisiológico, a gente tende a desprezar essa galera que flutua pelo centro —que cada hora tem um nome, centrão, blocão—, agora, não tenho dúvida, durante cem anos de história, esse centro que nos manteve republicanos”;
  • “Quando a Dilma endoideceu, alguém foi lá e: ‘peraí, vamos dar uma parada nisso’. Todo o golpe de 64, quando as pessoas me perguntavam com o Bolsonaro falando aquele excesso de besteira, [sobre] golpe, [eu dizia] é muito diferente. Se você for fazer uma analogia sobre 64 com hoje, a coisa mais parecida… 64 foi meio o impeachment da Dilma”;
  • “Acho que no dia 31 de março não teve nenhum tiro, ninguém foi preso, as crianças foram para escola, o mercado funcionou. Com simbolismos, linguagens, personagens da época, mas a melhor analogia é o impeachment da Dilma”;
  • “Deu oito a dois [na votação pela autonomia do BC], mas precisou de alguns de nós sentar lá e explicar; não ter medo de falar, de conversar, de interagir, faz isso à luz do dia, com transparência, com clareza, honestidade intelectual, que vai ser sempre respeitado”;
  • “Eu não estou muito preocupado com a consequência eleitoral. ‘Ah, vai vir um Lula ultrapopulista ou vai vir um Bolsonaro muito doido.’ Eu acho que se o Bolsonaro ficar muito doido, não vai ser eleito, se o Lula for muito esquerdista também não vai ser eleito”;
  • “O Lula é meio macunaíma. Meio vilão meio herói. (…) O problema é o que vem junto, aquela turma do PT que já é mais complicado”; e
  • “Se os extremos ficarem nos extremos, esse centro vai andar. Essa história de que está tarde, que Eduardo Leite é um traço na pesquisa… Não está tarde nada. Pode anunciar o candidato em agosto do ano que vem que não está tarde”.

Banqueiro golpista

A colunista Cristina Serra, na Folha, foi quem melhor traduziu os áudios vazados pelo Brasil 247 acerca das falas do banqueiro André Esteves. A articulista disse que a fala do dono do BTG Pactual desnuda o país refém de meia dúzia de espertalhões. Segundo ela, é uma aula sobre os donos do poder no Brasil, entrecortada por risadas típicas de quem está ganhando muito dinheiro, ainda que o país esteja uma desgraça.

A jornalista destaca os pontos em que o banqueiro se vangloria por ter influenciado a decisão do STF favorável à independência do Banco Central, informando ter conversado com alguns ministros antes do julgamento. “Só não revelou quais”, lamenta. “E expõe o motivo de tanto empenho. Se Lula for eleito, ‘vamos ter dois anos de Roberto Campos’. Esteves considera que Bolsonaro, se ‘ficar calado’ e trouxer ‘tranquilidade institucional para o establishment empresarial’, será o ‘favorito’ em 2022.” Crendiopai.

Cristina Serra ficou horrorizada com Esteves jactando-se de seu prestígio junto ao presidente da Câmara, Arthur Lira. Gabando-se do acesso ao presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, a ponto de este tê-lo consultado sobre o nível da taxa de juros, atitude que é um escândalo de relações carnais entre o público e o privado.

Sobre a comparação do impeachment de Dilma com a ditadura de 64, a colunista da Folha foi fulminante:

“A comparação é um insulto aos milhares de presos, perseguidos, torturados e assassinados na ditadura, mas o raciocínio de Esteves faz sentido ao aproximar (talvez sem querer) as duas datas infames: 1964 e 2016 foram golpes. A conversa desinibida do banqueiro desnuda, de maneira explícita, um país refém de meia dúzia de espertalhões do mercado financeiro.”

Ouça a íntegra do áudio que revela poder do banqueiro André Esteves e sua relação com Arthur Lira e Roberto Campos Neto

Leia também

Lula diz que é “muito grave” censura a Nassif e à reportagem sobre o BTG Pactual

Banqueiro André Esteves, preso pela Lava Jato, é considerado “garoto prodígio” pelos barões da mídia

Nassif é censurado pela justiça do Rio. Blog do Esmael se solidariza com jornalistas do Jornal GGN