"Lula" censurado pelo Netflix no Brasil; série ganha nome de 'Round 6'

“Lula” censurado pelo Netflix no Brasil; série ganha nome de ‘Round 6’

A série sul-coreana “Ojingeo Geim”, que em português significa “Jogo da Lula” foi censurada no Brasil pela Netflix por questões políticas e foi batizada com o nome de ‘Round 6’.

O streaming é o mais assistido de todos os tempos porque conta história de pessoas superendividadas que aceitam participar de um jogo com brincadeiras de criança em troca de um bilionário prêmio em dinheiro.

Para o público brasileiro, nas redes sociais, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, do PT, foi censurado pela Netflix. A empresa jura que nada tem a ver com política a escolha de ‘Round 6’ como nome da série no País.

Segundo a Netflix, em cada região a série recebeu um nome para diferente.

Jogo da Lula prende o espectador pela sua fórmula de fácil compreensão.

As personagens competem entre si pela vida e pelos bilhões em brincadeiras infantis, a exemplo do Jogo da Lula, das bolinhas de gude, do cabo de guerra, da “amarelinha” numa ponte mortal de vidro [se errar cai no abismo], do recorte de um doce tradicional sul-coreano com uma agulha… Quem perde morre.

Na trama, acompanhamos um homem sul-coreano viciado em apostas e que acumula uma dívida que jamais poderia pagar.

Diante da possibilidade de não ver mais a filha e também da precária situação de saúde de sua mãe, ele resolve se candidatar a um jogo macabro, arquitetado por bilionários, que consiste em pôr pessoas comuns para disputarem seis jogos —daí “Round 6″— até que um vencedor seja eleito, levando como prêmio uma grande quantia em dinheiro. O problema é que os desafios envolvem matar quem perde ou é eliminado.

Apesar da censura a “Lula”, vale a pena assistir.

Leia também

Adeus, querido Paulo Guedes: plenário da Câmara convoca ministro para explicar contas em paraíso fiscal

Flávio Dino reclama do dólar a R$ 5,50 enquanto Paulo Guedes comemora alta da moeda americana

Após ‘coach’ com Véio da Havan, Bolsonaro vai depor presencialmente à Polícia Federal