Gleisi Hoffmann x Michelle Bolsonaro: presidenta do PT cobra explicações de Paulo Guedes

Gleisi Hoffmann x Michelle Bolsonaro: presidenta do PT cobra explicações de Paulo Guedes

Azedou o arroz doce do presidente Jair Bolsonaro nesta sexta-feira (1º/10), pois a presidenta Nacional do PT, deputada federal Gleisi Hoffmann (PT-PR), enviou requerimento para cobrar explicações do ministro da Economia, Paulo Guedes, sobre liberações de empréstimos da Caixa Econômica para amigos e aliados da primeira-dama Michelle Bolsonaro. A suspeita de tráfico de influência, prática comum na família Bolsonaro, foi revelada pela revista Crusoé na edição deste final de semana.

Segundo a reportagem da revista, Michelle agiu pessoalmente para favorecer empresas de bolsonaristas conhecidos da primeira-dama no auge da pandemia. Os créditos foram liberados pelo banco após a mulher de Bolsonaro enviar uma lista de e-mails ao presidente da instituição, Pedro Guimarães.

“A pedido da sra. Michelle Bolsonaro e conforme conversa telefônica entre ela e o presidente Pedro, encaminhamos os documentos dos microempresários de Brasília que têm buscado crédito a juros baixos”, diz um e-mail enviado pela assessora especial da Presidência à Caixa.

Ainda de acordo com a revista, a prática de tráfico de influência foi identificada pelo próprio banco e uma apuração interna foi aberta. Ainda segundo a publicação, o presidente da Caixa repassou os pedidos de Michele Bolsonaro para uma agência do banco em Taguatinga, no Distrito Federal, onde quase todos foram aceitos pela instituição.

Gleisi Hoffmann disse que diversos micro e pequenos empresários tiveram dificuldades em conseguir crédito na pandemia, precisaram demitir funcionários ou fechar as portas. “Mas pra um seleto grupo de bolsonaristas foi moleza, era só acionar Michelle Bolsonaro e a juros baixos. Isso é tráfico de influência!”, protestou a dirigente petista.

Requerimento de Gleisi Hoffmann x Michele Bolsonaro

No requerimento enviado ao Ministério da Economia, Gleisi solicita cópias de e-mails enviados por Michele ou por sua assessoria, além de informações relacionadas aos pedidos e ao próprio processo de apuração interna aberto pelo banco. A deputada pede também que sejam disponibilizadas informações referentes ao processo de concessão de crédito da linha PRONAMPE ou outras e o nome das empresas e sócios contemplados com as linhas de crédito concedidas pela agência de Taguatinga.

“Para viabilizar essas facilidades, notadamente a liberação de empréstimos das linhas de crédito que a maioria das empresas e dos cidadãos não tinham acesso, a senhora Michelle Bolsonaro teria se empenhado pessoalmente na tarefa de “ajudar” aos amigos e conhecidos, fazendo diversas tratativas, por e-mail ou em encontros presenciais, com o Presidente da Caixa Econômica Federal, de modo que os protegidos da senhora Michelle não encontraram, como dito, dificuldades na liberação de vultosos recursos”, diz um trecho do requerimento assinado por Gleisi Hoffmann.

“Todos esses fatos indicam que a Instituição Caixa Econômica Federal, com o beneplácito e empenho pessoal de seu Presidente, foi usado indevidamente, ilegalmente e criminosamente, para privilegiar interesses privados da esposa do Presidente da República”, aponta outro trecho do documento, que defende o acesso aos documentos com base na Lei de Acesso à Informação.

Leia também

Lula livre de todos os processos na Justiça; petista obteve 20ª vitória #IssoAGloboNãoMostra

Após vendaval, Bolsonaro transfere local de palanque em Maringá [vídeo]

URGENTE: VENDAVAL DERRUBA PALANQUE DE JAIR BOLSONARO EM MARINGÁ (PR)