Facebook planeja construir um mundo virtual para seus usuários chamado 'metaverso'

Facebook planeja construir um mundo virtual para seus usuários chamado ‘metaverso’

Mark Zuckerberg, dono do Facebook, planeja que sua plataforma de aplicação na internet construa um mundo virtual para os 2,85 bilhões de usuários de forma responsável. Será possível no âmbito do capitalismo e da disputa pela atenção dos navegantes?

A empresa do Vale do Silício, nos EUA, alardeava o “metaverso” como a próxima grande fase de crescimento para grandes empresas de tecnologia e anunciou recentemente um programa de investimento de US$ 50 milhões (R$ 275 milhões) para garantir que este metamundo seja construído de forma “responsável”.

O Facebook e outras empresas de tecnologia imaginam o metaverso como um mundo onde as pessoas levam suas vidas sociais e profissionais virtualmente, por meio de fones de ouvido de realidade virtual, como o Oculus Rift do Facebook, e por meio de realidade aumentada, onde uma camada digital é colocada no topo da vida real, como no popular jogo Pokémon Go. A empresa prevê uma rede interconectada de metaversos, à medida que os usuários saem do reino do Facebook sem problemas para um mundo adjacente criado por outras empresas de tecnologia como Google, Apple ou uma grande editora de videogames.

Em uma postagem de blog anunciando o movimento de contratações, Nick Clegg, vice-presidente de assuntos globais do Facebook, disse que os internautas europeus desempenharão um papel importante na formação do metaverso. Clegg disse que o desenvolvimento de um mundo habitável de RV e RA exigiria um investimento contínuo em talentos em toda a empresa.

“Portanto, hoje, estamos anunciando um plano para criar 10 mil novos empregos altamente qualificados na UE nos próximos cinco anos”, disse Clegg. “Este investimento é um voto de confiança na força da indústria tecnológica europeia e no potencial do talento tecnológico europeu.”

Clegg citou o trabalho da Alemanha com vacinas de mRNA e o progresso da Suécia no sentido de se tornar uma sociedade sem dinheiro como exemplos das proezas tecnológicas do continente. O Facebook também investe em pesquisa de tecnologia na Europa, incluindo um laboratório de pesquisa de inteligência artificial na França e pesquisa em realidade virtual e realidade aumentada em Cork, Irlanda.

O anúncio de empregos não cobre o Reino Unido, onde o Facebook emprega cerca de 4 mil pessoas, embora a empresa tenha dito que continuaria a se expandir no Reino Unido. Espera-se que a campanha de recrutamento na UE se concentre na Alemanha, França, Itália, Espanha, Polônia, Holanda e Irlanda.

A declaração também se refere ao status da UE como um regulador influente de novos empreendimentos na Internet. Este mês, a comissária de competição da UE, Margrethe Vestager, disse que a paralisação em massa das plataformas do Facebook, que afetou bilhões de usuários em todo o mundo, mostrou os perigos de depender apenas de alguns grandes jogadores de tecnologia.

“Os legisladores europeus estão liderando o caminho para ajudar a incorporar valores europeus como liberdade de expressão, privacidade, transparência e os direitos dos indivíduos no trabalho diário da Internet”, disse Clegg.

O Facebook está desenvolvendo sua estratégia de metaverso em um cenário de mais pressão regulatória e política em ambos os lados do Atlântico, após uma série de vazamentos de documentos por uma denunciante, Frances Haugen.

Haugen acusou o Facebook de colocar “lucros astronômicos antes das pessoas” e divulgou documentos, que formaram a base de uma série de revelações no Wall Street Journal, incluindo um artigo mostrando que o Facebook estava ciente de que sua plataforma Instagram prejudicava a saúde mental de alguns adolescentes.

O Facebook descreveu as revelações do WSJ sobre o Instagram como uma “descaracterização” de sua pesquisa.

No mês passado, a empresa anunciou um programa de investimento de US$ 50 milhões para garantir que o metaverso atenda às questões regulatórias e legais, distribuindo o dinheiro entre organizações e instituições acadêmicas como a Universidade Nacional de Seul e Mulheres em Tecnologia Imersiva.

The Guardian

Leia também

Instagram e Facebook estão envelhecendo e correm perigo de desaparecer em breve

“Facebook prejudica as crianças, alimenta a divisão e enfraquece a democracia”, diz ex-executiva da plataforma

Seis partidos pediram no STF para que o Facebook e o YouTube controlem o conteúdo no Brasil