Bolsonaro tenta superar ministro "terrivelmente evangélico" no Supremo Tribunal Federal

Evangélicos podem “excomungar” Bolsonaro por recuo em vaga no STF

Líderes evangélicos ameaçam “excomungar” Jair Bolsonaro caso o presidente recue do nome de André Mendonça, advogado-geral da União, “terrivelmente evangélico”, para a vaga aberta no Supremo Tribunal Federal (STF).

Bolsonaro foi instigado pelo Centrão a indicar um novo nome para a corte, Alexandre Cordeiro de Macedo, presidente do Cade (Conselho Administrativo de Defesa Econômica).

Macedo também é evangélico, mas não é considerado um “terrivelmente evangélico” para o STF como prometera Bolsonaro aos líderes evangélicos.

O pastor Silas Malafaia foi o primeiro a atirar: “Estão pensando que vão chegar pro presidente com um nome qualquer, mas o presidente vai perguntar pra gente, e vamos dizer ‘não, não reconhecemos esse cara’.”

Malafia jurou que os evangélicos não escolheram André Mendonça. “Não somos nós, ministros evangélicos, que vamos escolher ministro”, discursou. “A única coisa é que o presidente vai perguntar se o camarada é terrivelmente evangélico ou não porque ele não tem ideia. Não adianta esses caras armarem alguma coisa, dizendo que João ou Manoel ou sei lá quem é terrivelmente evangélico que nós vamos dizer ao presidente sim ou não.”

O presidente foi avisado de que o nome de Mendonça não passa na sabatina do Senado, por isso o senador Davi Alcolumbre (DEM-AP), presidente da CCJ, ainda não pautou a indicação.

Bolsonaro ficou entre a cruz do Centrão, que lhe dá sustentação no Congresso, e a espada dos líderes evangélicos, que ainda lhe emprestam um pouco de popularidade em processo de derretimento.

Desde o início de julho, com a aposentadoria de Marco Aurélio Mello, a 11ª cadeira no Supremo continua vaga a espera do nome indicado pelo mandatário.

Os políticos do Centrão ampliaram a resistência a Mendonça alegando que ele, se aprovado, se tornaria “terrivelmente lavajatista” no STF.

No contra-ataque, Malafaia tuitou hoje (10/10) que dois ministros de Bolsonaro “perderam a condição moral” de seguir no cargo.

“GRAVÍSSIMO! ATENÇÃO POVO BRASILEIRO. 2 ministros de Bolsonaro perderam a condição moral de continuarem como ministros. Amanhã vou postar um vídeo denunciando esses inescrupulosos. SERÁ UM VERDADEIRO ARRASA QUARTEIRÃO! Aguardem”, ameaçou no Twitter. O mundo político entendeu como sendo um recado para o chefe da Casa Civil, ministro Ciro Nogueira (PP-PI).

“Se reprovarem o André, quem vai dizer outro nome é a lideranca evangélica. Não vamos aceitar quem não seja evangélico indicar ninguém ao presidente”, deputado Sóstenes Cavalcante (DEM-RJ), da Assembleia de Deus Vitória em Cristo.

Leia também

Senado pode rejeitar André Mendonça, ministro terrivelmente evangélico de Bolsonaro, para vaga no STF

Bolsonaro indica recondução de Augusto Aras; PGR é reserva técnica para o Supremo

Mendonça fora do STF como “efeito colateral” do pedido de impeachment de Alexandre de Moraes