Dia dos Finados: mais de 600 mil mortos na pandemia e dia refletir sobre o Fora Bolsonaro

Deu no New York Times: ‘Bomba, Bolsonaro é acusado de homicídio’

Deu no New York Times, o maior jornal do mundo, na edição desta terça-feira (19/10).

Uma comissão parlamentar de inquérito no Senado do Brasil deve recomendar acusações de homicídio em massa contra o presidente Jair Bolsonaro, afirmando que ele intencionalmente deixou o coronavírus infectar o país e matar centenas de milhares em uma tentativa fracassada de obter imunidade de rebanho e reviver a maior economia da América Latina.

Um relatório da investigação no Congresso Nacional, trechos dos quais foram vistos pelo The New York Times antes de seu lançamento agendado para esta semana, também recomenda acusações criminais contra 69 outras pessoas, incluindo três dos filhos de Bolsonaro e vários funcionários do governo atuais e antigos.

Na melhor das hipóteses, é incerto se o relatório do painel de 11 membros – sete deles oponentes de Bolsonaro – levará a quaisquer acusações criminais reais, dadas as realidades políticas do país.

Mas no Brasil profundamente polarizado, isso reflete as profundezas da raiva contra um líder que se recusou a levar a sério a pandemia. O relatório pode provar uma grande escalada nos desafios enfrentados por Bolsonaro, que assumiu o cargo em 2019, enfrenta a reeleição no próximo ano e está sofrendo uma queda de popularidade.

As acusações extraordinárias aparecem em um relatório de quase 1.200 páginas que efetivamente culpa as políticas de Bolsonaro pelas mortes de mais de 300 mil brasileiros, metade do número de mortos por coronavírus do país, e exorta as autoridades brasileiras a prender o presidente, de acordo com trechos de o relatório e entrevistas com dois dos senadores da comissão.

“Muitas dessas mortes eram evitáveis”, disse Renan Calheiros, o senador brasileiro de centro que foi o principal autor do relatório, em uma entrevista em seu gabinete na noite de segunda-feira. “Estou pessoalmente convencido de que ele é o responsável pela escalada do massacre.”

Desde o início da pandemia, Bolsonaro fez de tudo para minimizar a ameaça do vírus. À medida que países ao redor do mundo fechavam as portas e seu próprio povo começava a encher hospitais, ele incentivou as reuniões em massa e desencorajou as máscaras. Um cético declarado quanto à vacinação, ele criticou qualquer um que ousasse criticá-lo como irresponsável.

Essas ações, argumentou o relatório, resultaram em homicídio em massa.

O gabinete de Bolsonaro não respondeu aos pedidos de comentários, mas o presidente criticou a investigação do Senado sobre sua forma de lidar com a pandemia por ser politicamente motivada. “Você sabia que hoje fui indiciado por homicídio?” ele perguntou aos apoiadores depois que os primeiros detalhes vazaram. Mais tarde, ele chamou Calheiros de “sujo”.

As descobertas do relatório culminam em uma investigação de seis meses por comissão de inquérito do Senado sobre a Covid-19, que realizou mais de 50 audiências. Eles se tornaram televisão obrigatória no Brasil, apresentando depoimentos sobre esquemas de suborno e operações de desinformação. Um legislador usou um colete à prova de balas para testemunhar que algumas compras de vacinas incluíam propinas.

Escrito por um pequeno grupo de senadores após uma ampla investigação, o relatório também acusa Bolsonaro de “genocídio” contra grupos indígenas na Amazônia, onde o vírus dizimou populações por meses depois que os hospitais ficaram sem oxigênio. Essas alegações não devem ganhar força com os promotores brasileiros, de acordo com especialistas legais, e parecem certas para dividir ainda mais uma nação já fragmentada.

O relatório descobriu que o presidente havia promovido medicamentos não comprovados como a hidroxicloroquina bem depois que eles se mostraram ineficazes no tratamento da Covid-19 e que sua administração causou um atraso de meses na distribuição de vacinas no Brasil ao ignorar mais de 100 e-mails da Pfizer. Em vez disso, seu governo optou por pagar a mais por uma vacina não aprovada da Índia, disse o relatório, um negócio que foi posteriormente cancelado por suspeitas de enxerto.

Calheiros defendeu os planos da CPI de recomendar acusações de homicídio e “genocídio indígena” contra Bolsonaro, dizendo que eles eram precisos sob uma leitura técnica da lei brasileira. Ele enquadrou a acusação de homicídio como assassinato “por omissão” – o que significa que Bolsonaro permitiu mortes que ele era responsável por prevenir.

Leia também

Dólar em alta bate R$ 5,60; Paulo Guedes reage: ‘aha, uhu, o BC é nosso!’

Câmara pode votar hoje PEC 5 que altera composição do CNMP e amplia controle social do órgão

Filhote de Bolsonaro, presidente do Equador alega violência e narcotráfico para declarar estado de exceção [vídeo]

Creomar De Souza, um analista político independente em Brasília, disse que embora as audiências da comissão de investigação revelassem um manejo incorreto da pandemia, “não vi nenhum elemento concreto forte o suficiente para acusar o presidente de genocídio ou homicídio”. Ele disse que sete senadores que se opõem ao presidente controlam efetivamente o comitê de 11 membros.

A CPI deve divulgar o relatório na quarta-feira e votá-lo uma semana depois. O grupo de sete senadores da oposição geralmente concorda com o relatório, disse Calheiros, sugerindo que seria aprovado. O Times viu o que foi descrito como um rascunho final, embora os detalhes ainda possam mudar antes de seu lançamento.

Um dos quatro senadores da comissão que apoia o presidente é seu filho, Flavio Bolsonaro. O relatório que ele votará na próxima semana também recomendará acusações criminais contra ele.

Além das acusações de homicídio e genocídio, o relatório recomenda nove acusações adicionais contra Bolsonaro, incluindo falsificação de documentos e “crimes contra a humanidade”.

Se o relatório for aprovado, o procurador-geral do Brasil terá 30 dias para decidir se processa acusações criminais contra Bolsonaro e os outros nomeados no relatório. A Câmara dos Deputados do Brasil no Congresso também teria que aprovar as acusações contra Bolsonaro. O Sr. De Souza disse que o resultado é improvável: o Sr. Bolsonaro nomeou o procurador-geral, que continua sendo seu apoiador, e seus partidários controlam a Câmara dos Deputados.

Calheiros disse que, se o procurador-geral não intentar acusações contra o presidente, a CPI do Senado buscará outras vias legais potenciais, incluindo a Suprema Corte do Brasil (STF) e o Tribunal Penal Internacional de Haia.

Se Bolsonaro for formalmente acusado, ele será suspenso por 180 dias enquanto o Supremo Tribunal Federal decide o caso, disse Irapuã Santana, professor de Direito da Universidade do Estado do Rio de Janeiro. Se condenado, ele será afastado da presidência por oito anos e poderá ser condenado a anos de prisão, disse Santana. Não existe pena de morte no Brasil.

Bolsonaro, o 38º presidente do Brasil, não seria o primeiro a enfrentar acusações de homicídio. O 13º presidente do Brasil, Washington Luis, foi preso e acusado de assassinato em 1930, depois que um político da oposição foi assassinado, disse Santana. Assim que Luis foi deposto, os militares assumiram o controle e instalaram um rival político como presidente.

Os três presidentes que precederam Bolsonaro também tiveram seus próprios problemas jurídicos.

Michel Temer, um presidente de centro-direita, foi preso sob acusações de corrupção que foram posteriormente retiradas. Dilma Rousseff, a primeira mulher presidente do Brasil, sofreu impeachment em 2016 sob acusações de manipulação do orçamento federal. E Luiz Inácio Lula da Silva, um esquerdista que liderou o país de 2003 a 2010, cumpriu 19 meses de prisão por acusações de corrupção. As acusações contra ele foram retiradas este ano e ele agora lidera contra Bolsonaro nas pesquisas na corrida presidencial de 2022.

O relatório da CPI da Covid representa a maior luta de Bolsonaro até o momento com o Congresso Nacional do Brasil, embora com as eleições se aproximando, provavelmente esteja longe de ser a última.

Com o declínio de seus números de pesquisas, Bolsonaro está tentando promover mudanças nos impostos e uma reforma do governo no Congresso para dar apoio aos eleitores. Há também uma luta iminente sobre a dívida federal e outro inquérito que investiga as alegações de que o presidente e seus apoiadores espalharam desinformação online.

Embora mais da metade do país agora desaprove o trabalho que Bolsonaro está fazendo como presidente, ele mantém o controle na Câmara dos Deputados e tem apoio suficiente no Senado para bloquear a oposição.

Bolsonaro chamou o vírus de “pequena gripe”. Ele brincou que as vacinas transformariam as pessoas em crocodilos, o que levou muitos brasileiros a tomar as vacinas em trajes de crocodilo. E quando ele compareceu a uma reunião das Organizações das Nações Unidas no mês passado, as regras de vacinação para restaurantes de Nova York obrigaram ele e o ministro da Saúde do Brasil a comer pizza na calçada porque Bolsonaro não foi vacinado. O ministro da Saúde testou positivo para Covid-19 dias depois.

Bolsonaro adotou uma abordagem diferente quando se tratou da hidroxicloroquina, um medicamento antimalárico que se pensava ser um possível tratamento para o coronavírus. Depois de ter testado positivo no ano passado, Bolsonaro postou um vídeo dele mesmo engolindo as pílulas antimaláricas, embora os cientistas tenham alertado contra isso.

A CPI da Covid no Senado concluiu que Bolsonaro e seus aliados haviam sistematicamente promovido drogas não comprovadas em vez de práticas que funcionavam, como distanciamento social e máscaras.

Em janeiro, o governo brasileiro retirou um aplicativo de saúde criado depois que pesquisadores descobriram que quase sempre recomendava medicamentos não comprovados, como hidroxicloroquina e ivermectina, um medicamento antiparasitário para animais. Calheiros disse que a comissão de inquérito do Senado concluiu que o governo federal gastou milhões de dólares com essas drogas, até mesmo forçando as Forças Armadas do Brasil a produzi-las em massa.

O apoio de Bolsonaro à hidroxicloroquina e outras drogas não comprovadas persistiu por mais tempo do que entre outros líderes mundiais que também os apoiaram. O ex-presidente Donald Trump, por exemplo, promoveu a hidroxicloroquina por meses no início da pandemia, mas parou de falar sobre isso no ano passado, quando a ciência se tornou mais clara.

As opiniões de Bolsonaro sobre a pandemia foram ampliadas por uma rede coordenada de eruditos conservadores, influenciadores de mídia social e perfis online anônimos, que protestaram contra bloqueios e máscaras, promoveram drogas não comprovadas, questionaram vacinas e afirmaram que a contagem de mortes no Brasil foi exagerada, de acordo com o relatório.

A comissão do Senado acusou Bolsonaro e seus três filhos mais velhos, todos eleitos, de terem constituído o “núcleo de comando” da rede de notícias falsas. O relatório da CPI também corroborou histórias na imprensa brasileira de que o governo de Bolsonaro administrava um chamado “Gabinete de Ódio” a partir de escritórios do governo que dirigia campanhas online apoiando os objetivos do presidente e atacando seus inimigos.

Reportagem de Jack Nicas e Leonardo Coelho, no NYT