Caíram quatro secretários da Economia, mas ainda falta cair Paulo Guedes

Câmara convoca Paulo Guedes para explicar offshore em paraíso fiscal

Deu ruim para o ministro da Economia, Paulo Guedes. A Comissão de Trabalho, de Administração e Serviço Público da Câmara dos Deputados aprovou nesta terça (05/10) a convocação de Guedes, que terá de explicar suas movimentações financeiras no exterior através de offshore em paraíso fiscal.

A convocação do ministro foi proposta pelos deputados Kim Kataguiri (DEM-SP) e Paulo Ramos (PDT-RJ).

A notícia sobre a offshore foi publicada pelos sites da revista Piauí e Poder360, que integram o consórcio internacional de jornalistas investigativos que teve acesso a milhões de documentos sobre offshores em paraísos fiscais (Pandora Papers).  O vazamento também apontou empresa no exterior em nome do presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto.

“É possível, em tese, que ele tenha feito investimentos que se provaram rentáveis devido às informações que ele naturalmente possui enquanto ministro de Estado ou, pior, que possa ter influído a política fiscal, monetária, creditícia ou cambial do País para tornar seus investimentos rentáveis”, argumentou Kataguiri ao defender a convocação do ministro.

“Não está claro qual foi a atividade de sua offshore, nem como está sendo gerida desde sua nomeação no ministério”, reforçou Paulo Ramos ao pedir a convocação de Guedes para esclarecer suposto “conflito de interesses”.

Ontem a oposição cobrou a convocação do ministro no Plenário.

Em nota, o Ministério da Economia afirmou que a participação de Guedes na empresa offshore foi declarada à Receita Federal.

Por ter sido convocado, o ministro é obrigado a comparecer à comissão. A data da audiência ainda não foi marcada.

Enquanto isso na CPI da Pandemia, por ora, os senadores afinaram para Guedes.

Leia também

Avisado de que candidatura de Moro é pra valer, Bolsonaro caiu na gargalhada e foi parar no ambulatório de tanto rir

O malfeito é de Paulo Guedes, mas Ciro Gomes ataca o PT horas depois de pedir “trégua”

Em São Paulo, Alckmin pode virar ‘o cara’ de Bolsonaro em 2022