Adeus, querido Paulo Guedes: plenário da Câmara convoca ministro para explicar contas em paraíso fiscal

Adeus, querido Paulo Guedes: plenário da Câmara convoca ministro para explicar contas em paraíso fiscal

O ministro da Economia, Paulo Guedes, terá de entrar no “caldeirão” na próxima semana. O Plenário da Câmara dos Deputados aprovou, por 310 votos favoráveis e 142 contrários, requerimento de convocação de Guedes para prestar esclarecimentos sobre a revelação de que ele é sócio de uma empresa no exterior com patrimônio de 9,55 milhões de dólares (cerca de R$ 52 milhões). Os 513 deputados ainda não definiram a data, porém.

As informações sobre a offshore de Guedes foram obtidas pelo projeto Pandora Papers, do Consórcio Internacional de Jornalistas Investigativos (ICIJ), dentre os quais o site Metrópoles, parceiro do Blog do Esmael. O vazamento também apontou uma empresa no exterior em nome do presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto.

Duas comissões da Câmara já haviam aprovado a convocação de Guedes: do Trabalho, Administração e Serviço Público; e de Fiscalização Financeira e Controle.

Para o líder da oposição, deputado Alessandro Molon (PSB-RJ), “o Parlamento brasileiro tem o direito e o dever de cobrar explicações do ministro da Economia”. “Nós queremos saber por que ele mantém os recursos pessoais em moeda estrangeira, em dólar, enquanto a economia do País afunda”, disse.

Para a deputada Caroline de Toni (PSL-SC), o ministro não deveria ser convocado, porque os recursos foram declarados à Receita, são recursos privados e contas que não foram movimentadas. “Esse requerimento nada mais é do que um factoide, já que a grande mídia já explorou bastante a questão do vírus chinês no Brasil e agora quer explorar uma situação que não tem nada a ver”, declarou.

O deputado Júlio Delgado (PSB-MG) relacionou duas ações diretas de Paulo Guedes com offshores: o aumento do Imposto sobre Operações Financeiras (IOF) e a defesa de proposta com tributação mais vantajosa na reforma do Imposto de Renda. “Ele fez o aumento do IOF como ministro da Economia, mas ele não vai pagar. E ainda não quer prestar satisfação ao Parlamento”, afirmou.

Líder do governo, o deputado Ricardo Barros (PP-PR) voltou a falar que Paulo Guedes se dispôs a prestar esclarecimentos voluntariamente na próxima quarta-feira (13). “Há aqui um desejo de marcar posição politicamente na sua convocação. O nosso desejo, enquanto governo, é deixar esse assunto resolvido porque temos muitos temas importantes para votar”, disse Barros.

O deputado Kim Kataguiri (DEM-SP) apontou “hipocrisia” de Paulo Guedes ao retirar as offshores da tributação do Imposto de Renda. “Ele deve explicações à população brasileira sobre por que ele só joga tributação nas nossas costas, mas para ele é paraíso fiscal se beneficiando da desvalorização cambial”, cobrou.

Já o deputado Coronel Tadeu (PSL-SP) disse que a convocação virou “palanque”. “Não há nada, absolutamente nada de ilegal”, afirmou. O deputado também afirmou que Guedes está à disposição do Parlamento e que o dinheiro aplicado nas contas do exterior são fruto do trabalho do ministro da Economia.

O líder do PT na Câmara, Bohn Gass (PT-RS), afirmou que Paulo Guedes é ilegal, é imoral e engorda. “Ilegal porque viola o Código de Conduta da Alta Administração. É imoral porque é ele quem controla a política econômica do país, o que tem influência direta no câmbio. E tudo isso engorda o bolso dele.”

Segundo o líder petista, o plenário exige que o ministro da Economia dê explicações sobre a fortuna que ele mantém no paraíso fiscal das Ilhas Virgens Britânicas. “Guedes paga zero de imposto sobre esse dinheiro”, disse.

Adeus, querido Paulo Guedes.

Leia também

Flávio Dino reclama do dólar a R$ 5,50 enquanto Paulo Guedes comemora alta da moeda americana

Câmara convoca Paulo Guedes para explicar offshore em paraíso fiscal

O malfeito é de Paulo Guedes, mas Ciro Gomes ataca o PT horas depois de pedir “trégua”

Caso Paulo Guedes abre crise no Jornal Nacional, da Globo, sobre contas no paraíso fiscal