PT se distancia de manifestação da direita e convoca Fora Bolsonaro 'vermelho' para dia 2 de outubro. Foto: Ricardo Stuckert

PT se distancia de manifestação da direita e convoca Fora Bolsonaro ‘vermelho’ para dia 2 de outubro

O Partido dos Trabalhadores comunicou oficialmente que não engrossará a manifestação da direita, que advoga pela “terceira via”, neste domingo (12/09). A legenda de Lula e Gleisi Hoffmann saudou todas as mobilizações pelo Fora Bolsonaro, no entanto, esclareceu que o PT não participou da organização nem da convocação do referido ato. “Reafirmamos que o PT luta contra Bolsonaro, seu governo e suas políticas neoliberais, vinculando sempre a luta pelo impeachment a luta pelos direitos do povo brasileiro”, afirmou o partido.

Por outro lado, sem MBL e Vem Pra Rua, o PT definiu 02 de outubro a data para o ato nacional pela soberania, democracia, direitos do povo, fora Bolsonaro e impeachment já. Ou seja, a manifestação ‘vermelha’ será daqui a três semanas.

Em resolução divulgada neste sábado (11/09), o diretório nacional do PT disse que exige “a paralisação imediata das reformas antipopulares que tramitam no Parlamento, bem como cobramos do presidente da Câmara dos Deputados que faça tramitar um dos mais de 163 pedidos de impeachment que estão sobre sua mesa”.

“Bolsonaro segue na escalada autoritária e com sua pauta de retirada de direitos, de desamparo e descaso para com as principais necessidades do povo brasileiro”, afirmam os petistas.

A seguir, leia a íntegra do documento oficial do PT:

Resolução do Partido dos Trabalhadores: Unidade na luta pelo #ForaBolsonaro

No último 7 de Setembro, o Brasil, assolado pelo desemprego, pela fome, pela carestia e pela pandemia, assistiu a um vergonhoso espetáculo golpista e antidemocrático promovido por Bolsonaro, que – cada vez mais, desacreditado no Brasil e no mundo – aposta na ruptura institucional e na implantação de um regime autoritário sem disfarces. Ainda que nos dias seguintes tenha havido um aparente recuo, em que poucos acreditam, Bolsonaro segue na escalada autoritária e com sua pauta de retirada de direitos, de desamparo e descaso para com as principais necessidades do povo brasileiro.

Nosso povo sofre com a crise ambiental, econômica e social que trouxe a elevação do número de desempregados, a fome, a insegurança alimentar de 112 milhões de brasileiros e brasileiras, a queda do PIB, a volta da inflação, a carestia dos alimentos e aumento do preço da energia, tudo isso em meio a uma pandemia que já nos custou quase 600 mil vidas, grande parte das quais poderiam ter sido salvas se o governo Bolsonaro tivesse adotado outra atitude.

De outro lado, organizados em torno ao Grito dos Excluídos de 7 de Setembro, milhares de brasileiros e brasileiras, através das igrejas progressistas, dos movimentos sociais, das centrais sindicais, dos partidos de oposição, se manifestaram em todo o país em defesa das principais reivindicações do povo brasileiro nos dias de hoje: Vacina no Braço, Comida no Prato, Emprego, Renda, contra a retirada de direitos do povo, em defesa da democracia, da liberdade e Fora Bolsonaro.

Acertadamente, nosso partido participou do Grito dos Excluídos, demonstrando nossa profunda ligação com o povo brasileiro. Sintonizado com os principais anseios dos trabalhadores e trabalhadoras, em pronunciamento divulgado em 6 de setembro, o ex-presidente Lula chamou o povo brasileiro a lutar com esperança para derrotar o caos instalado pelo governo Bolsonaro, para reconstruir e transformar o Brasil.

O Diretório Nacional do PT, reunido em 11 de setembro de 2021, data que marca os 48 anos do golpe militar contra Salvador Allende e o povo chileno, reforça a importância da luta contra o golpismo, em defesa da democracia, que sempre foi e sempre será fundamental. Junto com as liberdades políticas, é preciso seguir lutando em torno dos problemas concretos do povo: emprego, salário, alimentos, moradia, transporte coletivo, acesso à educação e à saúde pública, respeito aos direitos da população negra, das mulheres, dos jovens, LGBTIs e de todos(as) aqueles(as) historicamente privados(as) de direitos no Brasil.

Para isso, é preciso conter imediatamente o projeto ditatorial de Bolsonaro através do impeachment, ampliando a mobilização popular em todo o país. O PT está empenhado em construir, com vários partidos, centrais sindicais e movimentos sociais, uma grande mobilização nacional pela democracia, pelos direitos do povo e pelo impeachment de Bolsonaro.

Em reuniões realizadas esta semana com outras forças políticas e organizações sociais e populares, definimos como datas de referência para a realização de atos públicos nacionais os dias 2 de outubro e 15 de novembro, além da organização de atos setoriais e regionais ao longo deste período, que têm como objetivo levar a luta pelo impeachment a cada local de moradia, estudo, trabalho, cultura e lazer. Saudamos todas as manifestações Fora Bolsonaro, esclarecendo que o PT não participou da organização nem da convocação de ato que já estava marcado para este domingo, 12. Reafirmamos que o PT luta contra Bolsonaro, seu governo e suas políticas neoliberais, vinculando sempre a luta pelo impeachment a luta pelos direitos do povo brasileiro.

Neste sentido, exigimos a paralisação imediata das reformas antipopulares que tramitam no Parlamento, bem como cobramos do presidente da Câmara dos Deputados que faça tramitar um dos mais de 163 pedidos de impeachment que estão sobre sua mesa.

O momento exige luta para derrotarmos o projeto neofascista e isso só ocorrerá com trabalho de base, capacidade de mobilização de massa, programa nítido, campanhas permanentes e luta concreta.

Conclamamos nossa militância, nossas lideranças, os diretórios municipais e estaduais e nossas bancadas parlamentares a se organizarem e participarem do seguinte calendário de lutas e mobilizações:

  • 14 de setembro: dia de mobilização do serviço público contra a Reforma Administrativa
  • 19 de setembro: Dia da Lei Orgânica do SUS, Ato da Saúde pela Vida
  • 02 de outubro: ATO NACIONAL PELA SOBERANIA, DEMOCRACIA, DIREITOS DO POVO E FORA BOLSONARO! Impeachment já!
  • 16 de outubro: Dia Mundial da Alimentação.

Diretório Nacional do Partido dos Trabalhadores.

Leia também

Sergio Moro vem aí e Pazuello lá, autoriza o novo Código Eleitoral aprovado pela Câmara

Se a cada nova fake news postada aumentasse a pena, Roberto Jefferson jamais sairia da prisão

Cartinha de Temer para Dilma, em 2015, motivo de chacota, foi o marco do golpe de Estado no ano seguinte

Estados Unidos lembram os 20 anos dos ataques de 11 de setembro às Torres Gêmeas no World Trade Center