Gás de cozinha subiu 73% e gasolina 57% no governo Bolsonaro contra inflação 15% e aumento zero nos salários

Gás de cozinha subiu 73% e gasolina 57% no governo Bolsonaro contra inflação 15% e aumento zero nos salários

Evidentemente que o apagão, falta de gás e água só existem para os do andar de baixo, que, aliás, terão de subir pela escada e tomar banho frio por determinação do presidente Jair Bolsonaro.

Dito isso, o gás de cozinha subiu 73% no governo Bolsonaro contra inflação 15% e aumento zero nos salários. Houve apenas tentativa de correção, mas nenhum ganho real nos vencimentos dos trabalhadores brasileiros.

A alta dos combustíveis, acima da inflação, é marca do governo Bolsonaro. Veja quanto subiram os combustíveis:

  • gasolina subiu 57%
  • óleo diesel 45%
  • gás de cozinha 73%
  • Os preços da gasolina, diesel e gás de cozinha seguem pressionando o custo de vida.

    A alta generalizada nos preços dos combustíveis, em patamares muito acima da inflação, é marca constante dos quase mil dias de governo Bolsonaro. Desde o início da administração bolsonarista, a gasolina subiu 57%, o óleo diesel 45% e o gás de cozinha 73%. Os reajustes foram muito além da inflação do período, de 15%, medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor (IPCA), do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Apenas em 2021, a gestão da Petrobrás aumentou seu preço do gás de cozinha na refinaria em 40%.

    Os cálculos foram elaborados pelo Instituto de Estudos Estratégicos de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (Ineep), com base em dados da Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e Biocombustível (ANP). Eles refletem os reajustes da política de preço de paridade de importação (PPI), adotada pela administração da Petrobrás, e que acompanha a variação dos preços internacionais do petróleo, a cotação do dólar e os custos de importação.

    O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo 15 (IPCA-15), de 1,14% em setembro, divulgado nesta sexta-feira, 24, pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) confirma a regra: além de energia elétrica, a gasolina, óleo diesel e gás de cozinha seguem pressionando o custo de vida – comportamento que vem se intensificando desde janeiro de 2019.

    “A inflação voltou com força total no país, atingindo a todos, sobretudo os mais pobres. É mais uma prova do fracasso deste governo e do equívoco da política de preço de paridade de importação, adotada pela gestão da Petrobrás, para reajuste dos combustíveis”, destacou o coordenador-geral da Federação Única dos Petroleiros (FUP), Deyvid Bacelar. Ele faz um alerta: “Enquanto essa política não mudar, a inflação continuará a disparar, deteriorando ainda mais o poder de compra dos trabalhadores”.

    Segundo o IBGE, gasolina foi um dos itens que exerceram os maiores impactos individuais sobre o IPCA-15 de setembro. O preço médio da gasolina subiu 2,85% entre agosto e setembro e acumulou alta de 33,37% no ano e de 39,05% nos últimos 12 meses.

    Dados elaborados pelo Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos, subseção FUP (Dieese/FUP), mostram que o gás de botijão subiu 2,32% em setembro, acumulando no ano alta de 26,83% e, em 12 meses, 32,93%. No óleo diesel, a variação no ano é de 30,03% e de 34,55% em 12 meses, até setembro. Os efeitos em cascata dos reajustes dos combustíveis atingiram fortemente o grupo de transportes (alta de 2,22% em setembro) e alimentação (1,27%).

    “A prévia da inflação para setembro acompanha os movimentos nos preços dos meses anteriores, com forte peso dos combustíveis. Somando energia elétrica e alimentação, estamos entrando nos dois dígitos de inflação anual”, constata o economista do Dieese/FUP, Cloviomar Cararine.

    Leia também

    URGENTE: Lula vai a Brasília segunda-feira pelo impeachment de Bolsonaro

    Banho frio, luz de vela, fogão a lenha, subir escadas; Bolsonaro dá marcha à ré de 100 anos na história

    NÃO às escolas militarizadas!