China sai na frente ao definir novas regras para algoritmos de internet

China sai na frente ao definir novas regras para algoritmos de internet

A China anunciou na sexta-feira (05/09) um novo projeto de diretrizes para regular os algoritmos usados ​​por empresas de tecnologia para fazer recomendações aos usuários.

Os algoritmos não devem promover conteúdo “colocando em risco a segurança nacional, perturbando a ordem econômica e social ou infringindo os direitos e interesses legítimos de terceiros”, de acordo com as regras publicadas pela Administração do Ciberespaço da China.

Além disso, os usuários não devem ver preços discriminatórios com base em seu comportamento anterior e devem ter a opção de desativar as recomendações, afirmam as regras. Além disso, algoritmos não devem ser usados ​​para criar contas de usuário falsas.

O regulador da Internet disse que as regras fazem parte dos esforços para proteger a privacidade e a segurança dos dados dos usuários chineses.

As normas aplicam-se “ao uso de tecnologias de recomendação feitas por algoritmos” incluindo “personalização, rankings, seleção, busca, filtragem, despachos, tomadas de decisão e outras modalidades de oferta de informação para os usuários”.

Em termos gerais, os algoritmos devem seguir princípios como “ética, equidade, justiça, abertura e transparência”.

Algoritmos devem ‘espalhar ativamente energia positiva’

As empresas de Internet em todo o mundo usam algoritmos para prever o comportamento e as preferências do consumidor para fazer recomendações adaptadas às preferências de seus usuários.

Esses algoritmos são essenciais para o sucesso de aplicativos populares de e-commerce, caronas e mídia social usados ​​na China, como Alibaba, JD.com e Douyin.

Mas essas empresas de tecnologia têm enfrentado críticas por permitir que seus algoritmos promovam conteúdo ilegal ou considerado impróprio pelos censores estaduais.

Os governos devem controlar as empresas de tecnologia com mais firmeza?
Os programas não devem induzir “maus hábitos” em menores e não devem obrigá-los a se “viciarem na internet”, afirmam as novas regras.

Em vez disso, eles deveriam “espalhar ativamente a energia positiva” e “aderir aos valores convencionais”.

A repressão tecnológica da China continua

As novas regulamentações atingem desde o comportamento monopolista até a privacidade do consumidor.

Nos últimos meses, as autoridades chinesas impuseram multas a aplicativos de compras e streaming de música por comportamento monopolista. Elas também reforçaram as proteções para drivers de aplicativos de entrega.

O governo chinês também está planejando impedir que empresas de tecnologia com grandes quantidades de dados confidenciais de usuários sejam listadas no exterior, informou o Wall Street Journal na sexta-feira.

O regulador do mercado de ações da China propôs ter como alvo as ofertas públicas iniciais de empresas de tecnologia, mesmo por meio de uma brecha legal que lhes permite usar uma unidade registrada no exterior, disse o jornal, citando fontes familiarizadas com o assunto.

A mudança tornará mais difícil para as empresas chinesas levantarem dinheiro nos lucrativos mercados dos EUA.

A repressão e as regulamentações mais rígidas geraram uma grande venda de ações de empresas de tecnologia e deixou os investidores globais cambaleando.

Leia também

Controle virtual: a agenda por trás da nova moeda digital da China

A China tem quase 1 bilhão de usuários de internet

China anuncia crescimento recorde de 18,3% da economia no primeiro trimestre

Editorial China Daily:

Os algoritmos não devem manipular os consumidores

A Administração do Ciberespaço da China publicou um projeto de regulamentação sobre algoritmos de recomendação na sexta-feira, solicitando a opinião pública. O projeto diz que os prestadores de serviços de algoritmo de recomendação não podem registrar contas falsas, negociar contas ilegalmente, manipular contas de clientes, fornecer informações falsas sobre a qualidade dos produtos ou realizar concorrência desleal usando algoritmos.

Em outras palavras, os algoritmos devem ser usados ​​para fornecer melhores serviços para clientes e clientes, e eles não podem ser empregados para manipular clientes e clientes com fins lucrativos, orientando-os a comprar produtos ou serviços específicos.

Os fornecedores de algoritmos fazem o possível para fazer com que os consumidores e clientes acreditem que os algoritmos os conhecem melhor do que eles próprios, e devem comprar tudo o que os algoritmos sugerem, pois os algoritmos sabem o que é melhor para eles e o que eles vão adorar.

Esses provedores nunca explicam aos clientes como os algoritmos funcionam e como eles conhecem as preferências dos clientes. Eles mistificam algoritmos como tecnologia avançada, que podem colocar consumidores e clientes à disposição de tais provedores de serviço.

Parece que os algoritmos acabaram sendo a varinha mágica que os provedores de serviços de recomendação de algoritmos podem usar para comandar os clientes à sua vontade. Ao mesmo tempo, os clientes são colocados no lado passivo do mercado cibernético, aceitando humildemente tudo o que é recomendado.

Entrega direcionada é como esses serviços são chamados pelos provedores. No entanto, eles nunca dizem aos clientes sobre o lado negativo de tais algoritmos – se os clientes podem se tornar viciados em tais serviços acreditando que serão capazes de satisfazer seus desejos e necessidades, e se esses algoritmos tiram a iniciativa dos próprios consumidores e se os algoritmos podem ser usado para enganar consumidores e clientes.

É verdade que tecnologias como big data e algoritmos ajudam a tornar a vida mais fácil para os residentes e os ajudam a estender a gama de serviços e produtos à sua escolha.

No entanto, eles nunca devem ser usados ​​como uma ferramenta para os provedores de serviço manipularem ou mesmo enganar os consumidores. O princípio centrado nas pessoas também deve ser aplicado na prestação de serviços em termos de tecnologias avançadas.

Conforme estipulado pela lei sobre a proteção de informações pessoais, que entrará em vigor em breve, os provedores não devem apenas recomendar produtos direcionados, mas também outros produtos, e fornecer maneiras para que os consumidores reduzam os produtos ou serviços recomendados a um nível com o qual se sintam confortáveis.

A tecnologia deve ser empregada de maneira justa tanto para os provedores de serviços quanto para os consumidores. Caso contrário, a tecnologia se tornará uma ferramenta para a exploração dos consumidores.