Boulos sai na frente com pré-candidatura ao governo de São Paulo

Boulos sai na frente com pré-candidatura ao governo de São Paulo

Guilherme Boulos, líder do MTST, teve a pré-candidatura ao governo de São Paulo confirmada pelo PSOL neste domingo (12/09).

Enquanto o MBL tentava animar as ruas pela terceira via, o PSOL definia sua tática eleitoral para 2022.

Com o tacape em punho, Boulos prometeu dialogar com São Paulo para derrotar o presidente Jair Bolsonaro e o “Tucanistão”, disse o pré-candidato do PSOL, em alusão à hegemonia dos tucanos em São Paulo.

“O Congresso do PSOL/SP aprovou hoje nossa pré-candidatura ao Governo do Estado”, informou Boulos no Twitter. “Vamos buscar o diálogo necessário para a unidade do campo progressista que seja capaz de derrotar Bolsonaro e o Tucanistão. Existe esperança em SP!”, completou.

No ano que vem, completará 28 anos que o PSDB governa o estado de São Paulo –entre eleições e reeleições.

Veja os governadores tucanos em SP:

  • Mario Covas (1995-2001)
  • Geraldo Alckmin (2001-2007)
  • José Serra (2007-2010)
  • Alberto Goldman (2010)
  • Geraldo Alckmin (2011-2018)
  • João Doria (2019-2022)

Segundo pesquisas de opinião, o ex-governador Geraldo Alckmin lidera a corrida pelo Palácio dos Bandeirantes. Se isso ocorrer, os tucanos completarão 32 anos ininterruptos no poder.

Guilherme Boulos pretende interromper a sequência de administrações tucanas para não deixar o PSDB virar um “PRI”, o partido mexicano que ficou hegemônico no poder entre 1929 e 2000.

“Essa decisão [da pré-candidatura do PSOL] dá sequência ao nosso projeto de ter uma candidatura de esquerda forte no ano que vem. A tarefa agora é construir uma unidade com todas as forças do nosso campo em torno de um programa comum, sem hegemonismo e com muito diálogo”, disse Boulos.

A alternância no poder é fundamental em uma democracia republicana.

Bem-vindo à verdade, ao Blog do Esmael.

Leia também

Regulação dos Algoritmos de empresas de aplicação na internet, que bicho é esse?

Augusto Aras é ‘o cara’ para o Supremo no acordão entre Bolsonaro, Moraes e Temer

Setembrada: Acordão afasta impeachment de Bolsonaro e abre caminho para a 3ª via