Veja o que esperar do encontro entre Lula e Requião nesta quinta-feira

Veja o que esperar do encontro entre Lula e Requião nesta quinta-feira

Daqui a pouco, por volta do meio dia, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) irá receber em sua casa, em São Bernardo do Campo (SP), o ex-governador do Paraná e ex-senador Roberto Requião –recém-desfiliado do MDB–, que está à procura de uma nova legenda para se agasalhar e concorrer ao governo paranaense em 2022.

Requião assinou desfiliação do MDB na segunda-feira (02/08), depois de 40 anos de militância. Desde então, na semana, ele intensificou encontros e contatos com dirigentes partidário e organizações sociais de diversas matizes. Na noite de quarta (04/08), por exemplo, o ex-emedebista foi anfitrião do presidente nacional do PDT, Carlos Lupi, e mandachuvas pedetistas locais no estado.

Mas o que esperar desse encontro entre Lula e Requião nesta quinta-feira?

Primeiro, é preciso o leitor saber quem estará na conversa de hoje, além de Lula e Requião.

Leia também
Ensandecido, Bolsonaro fala em jogar com as “armas” contra o STF

Após TSE, Supremo também põe Bolsonaro no “bico do corvo” no inquérito das fake news

Governo do Paraná pode conceder rodovias para exploração de pedágio durante 60 anos

Requião recebeu em sua casa, em Curitiba, Carlos Lupi e dirigentes do PDT no Paraná.
Requião recebeu em sua casa, em Curitiba, Carlos Lupi e dirigentes do PDT no Paraná.

Consta que irão filar um rango na casa do ex-presidente, também, o deputado Requião Filho (MDB); o deputado Arilson Chiorato, presidente do PT no Paraná; e a presidenta nacional do PT, deputada Gleisi Hoffmann (PT-PR).

O ex-governador Requião tem até março para se filiar em uma nova agremiação. Ele deve valorizar ao máximo esse tempo para manter-se na mídia. Há um consenso da “Geringonça”, agrupamento de 16 siglas no Paraná, de apoiá-lo ao Palácio Iguaçu independentemente do rumo partidário que ele seguir.

Dito isso, Requião irá dizer a Lula que quer ajudá-lo a vencer em 2022 e que desejaria Ciro Gomes (PDT) na mesma chapa. Vai pleitear junto ao ex-presidente um programa de governo nacionalista, que privilegie o desenvolvimento e afaste os neoliberais do petista.

Uma das possibilidades que será discuta hoje é o ingresso de Requião no PSB, partido aliado do PT, tendo em vista a “ampliação” do palanque em apoio a Lula no Paraná. Seria a mesma fórmula adota em relação ao governador do Maranhão, Flávio Dino, e ao deputado Marcelo Freixo, pré-candidato ao governo do Rio.

Mas há controvérsia. Parte importante do PT defende a filiação de Requião e Requião Filho na agremiação. Dentre os que advogam essa tese está Arilson Chiorato, presidente do PT paranaense.

Quanto ao presidente Jair Bolsonaro, eles [Lula e Requião] deverão fazer a mesma leitura: o mandatário derreteu e dificilmente conseguirá disputar a reeleição em 2018.