São tigres de papel os militares ligados a Bolsonaro, revelou depoimento de Braga Netto

São tigres de papel os militares ligados a Bolsonaro, revelou depoimento de Braga Netto

São tigres de papel os militares ligados a Bolsonaro, revelou depoimento de Braga Netto

O ministro da Defesa, general Braga Netto, ficou “pianinho” após ser enquadrado na Câmara dos Deputados. O destaque ficou com o deputado Paulo Teixeira (PT-SP), que, nesta terça-feira (17/08), questionou o militar sobre ameaças à realização das eleições de 2022.

“Freios e contrapesos é a Constituição que resolve. Não o senhor. O senhor tem que ficar no seu quadradinho. No seu quadradinho”, disse o parlamentar petista.

Paulo Teixeira ainda foi mais enfático com Braga Netto: “Quem decide sobre voto impresso é o Congresso Nacional e cabe ao senhor obedecer. Caso contrário será preso.”

No final de julho, o general pediu para comunicar, a quem interessasse, que não haveria eleições em 2022, se não houvesse voto impresso e auditável. Depois, em nota, jurou que não ameaçou as instituições democráticas em uma mensagem golpista.

O ministro da Defesa não retrucou o deputado petista, que o ameaçou prendê-lo. Ficou pianinho, quietinho, silente e obediente. Não se mostrou “tigrão” como dantes em notas oficiais contra a CPI da Covid, Congresso ou Judiciário.

O depoimento de Braga Netto, na Câmara, revelou que os militares que apoiam o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) são tigres de papel.

Assista ao vídeo

Leia também

Flávio Dino contesta “poder moderador” das Forças Armadas, alegação de general Heleno

Ou Bolsonaro dá o golpe, ou Bolsonaro sai preso; presidente começou tocar o berrante

Servidores públicos deflagram hoje greve contra a reforma administrativa; confira locais de manifestações

Sergio Reis, após choro, disse que pediu estudo sobre impeachment de ministros do STF

“Não houve ditadura no Brasil”, diz General Braga Netto

O ministro da Defesa, na Câmara, revelou-se negacionista em relação à história recente do País. Ele disse que “não houve ditadura no Brasil”, numa tentativa de reescrever o passado e apagar os crimes dos militares entre 1964 e 1985.

“Para Braga Netto não houve ditadura no Brasil. Torturas, perseguições, prisões políticas, fechamento do congresso, censura… Não há negacionismo capaz de apagar a história. Jamais esqueceremos. Ditadura nunca mais!”, reagiu Guilherme Boulos, líder do MTST, no Twitter.

Resumo da ópera: a maior [e única] ameaça no País chama-se Paulo Guedes, ministro da Economia, que segue retirando direitos do povo e dos trabalhadores enquanto militares e Bolsonaro divertem, distraem, com ameaças antidemocráticas; com Supremo e tudo…