Pela 19ª vez, Justiça encerra inquérito contra Lula e deixa petista mais perto do Palácio do Planalto em 2022. Foto: Ricardo Stuckert

Lula vence no primeiro turno, diz mais uma nova pesquisa sobre 2022

As pesquisas de intenção de voto explicam, em parte, a agressividade do presidente Jair Bolsonaro (sem partido). De acordo com o levantamento da Quaest, o ex-presidente Lula vence no primeiro turno as eleições de 2022.

Para tentar “barrar a vitória” do petista já na primeira etapa, os institutos têm enchido a linguiça com “candidatos laranja”, qual seja, nomes que não têm capacidade eleitoral de concorrer ao pleito nacional. Mesmo assim, em todos os seis cenários, dentro da margem de erro, Lula vence no primeiro turno.

Se houver segundo turno, diz a mais nova pesquisa sobre 2022, Lula derrota todos os adversários recebendo entre 53% e 58% dos votos.

Leia também
Presidente Jair Bolsonaro pode ter candidatura à reeleição barrada pelo TSE em 2022

Voto impresso é o novo devaneio bolsonarista, por Arilson Chiorato

Maioria quer militares fora do governo, diz Paraná Pesquisas

Como imaginar não é pecado, a Quaest desenhou seis possíveis cenários em 2022:

1. Lula 46; Bolsonaro, 29 ; Ciro, 12;

2. Lula 44; Bolsonaro, 27; Ciro,9; Sergio Moro, 10

3. Lula 44; Bolsonaro, 27; Ciro, 10; Datena, 10;

4. Lula 44; Bolsonaro, 29; Ciro, 10; Doria, 5;

5. Lula 45; Bolsonaro, 29 ; Ciro, 10; Eduardo Leite, 4;

6. Lula 45; Bolsonaro, 29; Ciro, 11; Mandetta, 3.

A pesquisa realizou 1.500 entrevistas domiciliares entre os dias 29 de julho e 1º de agosto em 27 unidades da federação brasileira, com nível de confiabilidade de 95%. Além de coletar intenções de voto, a intenção da pesquisa é conhecer atitudes, preferências, hábitos, medos, anseios e percepções políticas do eleitor brasileiro sobre o governo federal e sobre os postulantes ao cargo em 2022. De julho de 2021 a novembro do ano que vem, serão 24 rodadas de pesquisa nacional com amostragem probabilística por conglomerados até o último estágio de coleta e estratificação por cotas de sexo, idade, escolaridade, renda e PEA.

Resumo da ópera: Bolsonaro tem razão em estar nervoso.