Presidente Jair Bolsonaro será indiciado e o relatório da CPI irá apontar crimes contra a vida e contra a humanidade

Cada vez menos candidato, Bolsonaro ameaça Moraes dizendo que ‘a hora dele vai chegar’

Vendo sua capacidade de disputar a reeleição escapando-lhe entre os dedos, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) voltou a ameaçar o Supremo Tribunal Federal (STF), a eleição democrática e o ministro Alexandre de Moraes dizendo que ‘a hora dele vai chegar’.

Moraes é um dos ministros mais duros do STF, que, também no âmbito do inquérito das fake news, determinou a prisão iniciadas com Sara Winter, no primeiro semestre do ano passado, avançando para este ano com privação da liberdade do jornalista bolsonarista Oswaldo Eustáquio, bem como do deputado Daniel Silveira (PSL-RJ).

Bolsonaro resolveu atacar Moraes porque o ministro, na quarta-feira (04/08), incluiu o presidente da República no rol de investigados no inquérito das fake news a pedido [unânime] dos ministros do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) na segunda (02/08).

“A hora dele [Moraes] vai chegar. Porque está jogando fora das quatro linhas da Constituição há muito tempo. Não pretendo sair das quatro linhas para questionar essas autoridades, mas acredito que o momento está chegando”, ameaçou o presidente. “Não dá para continuarmos com ministro arbitrário, ditatorial”, disse o mandatário numa entrevista a uma rádio do Rio de Janeiro.

Leia também
Genocida, Bolsonaro veta projeto de lei que proibia despejos na pandemia

Ensandecido, Bolsonaro fala em jogar com as “armas” contra o STF

Após TSE, Supremo também põe Bolsonaro no “bico do corvo” no inquérito das fake news

No ataque, Bolsonaro disse que o ministro Alexandre de Moraes é “a própria mentira dentro do STF”.

Além de ativar a militância bolsonarista, a partir do gabinete do ódio, o presidente voltou a convocar uma manifestação para daqui a dois ou três domingos, na Avenida Paulista, pelo voto impresso e auditável.

Sem conexão com a realidade, surtado, Bolsonaro é cada vez menos candidato nas eleições de 2022.

A princípio, eu disse ‘a princípio’, o ministro Alexandre de Moraes não pode determinar a prisão do presidente Jair Bolsonaro –para garantir a ordem pública– porque ele tem imunidade processual no exercício do cargo. A princípio, eu repito, porque a capacidade hermenêutica do STF é fantástica…