Governo anuncia fim do auxílio emergencial em outubro

Veja por que os partidos vetam filiação de Bolsonaro, que continua inelegível para 2022

A rigor, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) continua inelegível para concorrer à reeleição em 2022. Os partidos resistem [vetam] à filiação do mandatário, que já sondou voltar ao PSL, pelo qual foi eleito em 2018, Patriotas, Republicanos, Partido da Mulher, e agora o Progressistas (PP).

O Blog do Esmael já havia abordado esse tema sob o título “Em baixa nas pesquisas, “nenhum” partido quer ficar com Bolsonaro em 2022“. Porém, o assuntou retornou à baila política com a entrada do Centrão no governo.

A filiação em agremiação partidária é requisito básico previsto no artigo 14 da Constituição Federal, observado prazo estipulado pela Justiça Eleitoral. Atualmente, a pessoa precisa se alistar em uma legenda seis meses antes do pleito.

A Constituição determina que são condições de elegibilidade: a nacionalidade brasileira; o pleno exercício dos direitos políticos; o alistamento eleitoral; o domicílio eleitoral na circunscrição onde ocorre a candidatura; a filiação partidária; e idade mínima (que varia conforme o cargo pretendido).

Leia também

Bolsonaro, que há dois anos, permanece inelegível. Ele abandonou o PSL, agremiação pela se elegeu, por causa da briga pelo controle do fundo eleitoral. O presidente tentou organizar um novo partido, o Aliança Pelo Brasil, mas desistiu nas vésperas das eleições municipais de 2020 –deixando na mão centenas de correligionários em todo o País.

Embora o PP tenha ingressado no governo, parte considerada do partido –força motriz do Centrão– rejeita Bolsonaro porque ele tira votos principalmente no Nordeste. Num embate entre Lula e Bolsonaro, na região, a proporção pode ser de 80% a 20%, ou seja, que ficar na chapa do presidente será varrido pelo petista.

Os institutos de pesquisas sérios apontam vitória do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) no primeiro turno. É aí que os ‘cabras’ do PP e do Centrão vetam Bolsonaro.

Se continuar nesse diapasão, Jair Bolsonaro se inviabilizará tecnicamente. Sem partido não poderá nem sair candidato, eis um pretexto para evitar a acachapante derrota que se aproxima.