Bolsonaro recebe alta médica

Cagando e andando: as bravatas de Bolsonaro ao voltar às ruas

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido), com o intestino desobstruído, voltou às ruas neste domingo (18/7) atacando a CPI da Covid, os picaretas e os lobistas de Brasília, os parlamentares do Amazonas, etc. e tal.

Bolsonaro só defendeu o ex-ministro da Saúde, general Eduardo Pazuello, flagrado com “batom na cueca”, isto é, negociando vacinas com atravessadores com preço superfaturado.

“Se eu tivesse na Saúde, eu teria apertado a mão daqueles caras tudo. O receber, ele [Pazuello] não estava sentado à mesa”, disse o presidente. “Geralmente quando o cara faz, fala em propina, é pelado dentro da piscina.”

Segundo Bolsonaro, “Brasília é um paraíso de lobistas e picaretas”. Aliás, o presidente voltou hoje para Brasília –após alta médica no hospital de ricos Vila Nova Star, onde estava internado desde quarta (14/7).

Leia também

‘É isso que dá tomar cloroquina’, ironizou o governador de São Paulo, João Doria (PSDB), sobre interesse de Pazuello por vacina mais cara.

Sobre o líder do governo na Câmara, Ricardo Barros (PP-PR), o mandatário não quis lançar nenhuma palavra de conforto. O político paranaense continua na frigideira, em fogo brando.

Jair Bolsonaro ainda atacou o deputado Marcelo Ramos (PL-AM), vice da Câmara, que comandou a votação da ampliação do fundo eleitoral para R$ 5,7 bilhões.

“Então num projeto enorme, alguém botou lá dentro essa essa casca de banana, essa jabuticaba. Agora o Parlamento descobriu, tentou, foi tentado destacar pra que a votação fosse nominal para essa questão e o presidente [da sessão, deputado] Marcelo Ramos, do Amazonas – pelo amor de Deus o estado do Amazonas ter um parlamentar como esse – ele atropelou, ignorou, passou por cima e não botou em votação o destaque”, disparou.

O intestino foi desobstruído, garantiu a equipe médica. Por isso ele saiu cagando e andando, bravateando, nas ruas.