PGR Augusto Aras

Bolsonaro indica recondução de Augusto Aras; PGR é reserva técnica para o Supremo

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) afirmou nesta terça-feira (20/7), no Twitter, que indicou o atual procurador-geral da República, Augusto Aras, para um novo mandato de dois anos no cargo.

“Encaminhei ao Senado Federal mensagem na qual proponho a recondução ao cargo de Procurador-Geral da República o Sr. Antônio Augusto Aras”, publicou o presidente da República.

O PGR tem se comportado como “Blindador-Geral da República”, que vem agindo como verdadeiro advogado de Bolsonaro e de seu clã.

Aras é lembrado como reserva técnica para o Supremo Tribunal Federal (STF), caso a indicação do Advogado-Geral da União, André Mendonça, não seja aprovado pelo Senado. “Terrivelmente evangélico”, Mendonça tem encontrado resistência no Senado nesses tempos de CPI da Pandemia.

Leia também

Quanto à indicação de Aras para mais um mandato na PGR, trata-se de uma prerrogativa do presidente. Cabe ao Senado sabatinar o indicado e, em seguida, aprovar ou rejeitar a nomeação.

Aras foi indicado por Bolsonaro para assumir o comando do Ministério Público Federal em setembro de 2019. O nome do procurador não estava na lista tríplice elaborada pela associação nacional da categoria, rompendo uma tradição que se mantinha desde o primeiro governo Lula.

Aras integra o Ministério Público desde 1987 e define-se publicamente como conservador. Em entrevista ao jornal “Folha de S.Paulo” em 2019, afirmou ser crítico da lista tríplice por entender que uma eleição interna para escolha do procurador reproduz os vícios da política partidária.

Embora Augusto Aras blinde demais as cagadas de Bolsonaro, ele merece respeito por desmontar a operação Lava Jato, que atuava contra o Brasil, os empregos, e o desenvolvimento nacional; atuava ideológica e politicamente, perseguindo adversários, com vistas ao poder.

Aras seria melhor ministro que Mendonça, a princípio.