Bolsonaro deixa roubar nas vacinas e no Orçamento da União

Fundo eleitoral é uma distração para mídia esconder roubo de R$ 5,2 trilhões do Orçamento da União

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) indicou nesta segunda-feira (19/7) que não vai sancionar o fundo eleitoral de R$ 5,7 bilhões aprovado pelo Congresso Nacional na semana passada. Ele ensaia jogar a “batata quente” nas mãos de deputados e senadores, que podem derrubar eventual veto e promulgar a Lei de Diretrizes Orçamentária (LDO) com o fundão.

Mas caso Bolsonaro se finja de morto e não se manifeste, em 15 dias a LDO entra em vigor automaticamente.

Bolsonaro reclamou do valor é “astronômico” e disse, numa demagogia, que o dinheiro poderia ser mais bem empregado em obras de infraestrutura. Parlamentares governistas votaram pela ampliação do fundo eleitoral de R$ 2 bilhões para R$ 5,7 bilhões, quase triplicando.

“É uma cifra enorme, que no meu entender está sendo desperdiçada, caso ela seja sancionada. Posso adiantar para você que não será sancionada”, afirmou o presidente em entrevista à TV Brasil.

Banqueiros, velha mídia [em joint venture com fundos de investimentos] e especuladores ficarão com mais de R$ 5,2 trilhões do Orçamento da União [dados do Portal Transparência] a título de pagamento de juros e amortização de dívida pública que nunca foi auditada. Portanto, o fundão não representa sequer um por cento do que o sistema financeiro garfará até o final deste ano dos brasileiros.

Ou seja, a velha mídia grita pega ladrão –acerca do fundão– para distrair a atenção do distinto público enquanto ela protege o verdadeiros ladrões do Orçamento da União.

Leia também

Bolsonaro para vice

O presidente Bolsonaro ainda sugeriu, hoje, que poderá não disputar a reeleição de 2022. Ele insiste em imprimir o voto e intensifica suspeita de fraude na urna eletrônica, embora admita que a PEC do voto impresso não passará no Congresso.

Pela primeira vez, o mandatário considera não concorrer à reeleição no ano que vem. “Eu entrego a faixa para qualquer um, se eu disputar a eleição, né? Se eu disputar, eu entrego a faixa para qualquer um. Uma eleição limpa”, disse.

Bolsonaro suspeita que os ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) e do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), em conluio, tiraram o ex-presidente Lula da cadeia –após 580 dias– para fraudar o resultado das eleições. Evidentemente, a narrativa é o irá fundamentar os próximos fake news dos bolsonaristas nas redes sociais.

Jair Bolsonaro faz discurso de quem tentará a vice de alguém ou, como ele mesmo disse, jogar a tolha definitivamente.