PSOL aciona Justiça para revogar sigilo de cem anos sobre processo de Pazuello no Exército

O PSOL apresentou uma ação popular na Justiça Federal na última terça-feira (8), através do deputado federal Ivan Valente, para anular o ato do Exército que impôs sigilo por cem anos ao processo administrativo sobre a participação do general Eduardo Pazuello em ato político ao lado do presidente Jair Bolsonaro no final de maio no Rio de Janeiro.

A ação defende que manter em segredo tais documentos “viola o direito da coletividade a obter o acesso a informações”. Segundo a petição, o ato do Exército torna-se ainda mais grave porque “trata de informações relacionadas ao envolvimento do general da ativa em atividades políticas”.

LEIA TAMBÉM
Morales parabeniza Castillo por vitória no Peru

Homem que deu tapa na cara do presidente da França, Emmanuel Macron, tem perfil fascista

CPI da Covid convoca Osmar Terra, considerado chefe do “gabinete paralelo” na Saúde

“A imposição da restrição total de acesso a Processo Administrativo Disciplinar viola gravemente a Constituição e a legislação com o objetivo de omitir da sociedade os detalhes da transgressão praticada pelo general da ativa e a legalidade da decisão do Comando do Exército que decidiu pelo arquivamento do referido processo, situações inadmissíveis no Estado Democrático de Direito”, sustenta o pedido apresentado pelo parlamentar do PSOL.

Após a participação de Pazuello em ato político ao lado do presidente da República no dia 23 de maio, sem o aval do Comando do Exército, foi instaurado processo administrativo para apurar a conduta do general, considerando que o regulamento interno da Força veda participação de militar em manifestações políticas. O processo acabou sendo arquivado pelo comandante do Exército, general Paulo Sérgio Nogueira de Oliveira.

A petição cita ainda que, segundo a Lei de Acesso à Informação, o sigilo de documentos que eventualmente tratem da vida privada, honra e imagem de pessoa não pode ser alegado “com o intuito de prejudicar processo de apuração de irregularidades em que o titular das informações estiver envolvido, bem como em ações voltadas para a recuperação de fatos históricos de maior relevância”.

As informações são do PSOL