Morales parabeniza Castillo por vitória no Peru

O ex-presidente da Bolívia, Evo Morales, parabenizou nesta quarta-feira (9) Pedro Castillo por sua vitória nas eleições presidenciais peruanas.

“Parabéns por esta vitória, que é a vitória do povo peruano, mas também do povo latino-americano que deseja viver com justiça social”, escreveu Morales em sua conta no Twitter.

Morales descreveu Castillo como sua “alma gêmea e companheiro de luta” e indicou que ele é “o orgulho dos movimentos sociais e profissionais patrióticos”.

LEIA TAMBÉM
Homem que deu tapa na cara do presidente da França, Emmanuel Macron, tem perfil fascista

CPI da Covid convoca Osmar Terra, considerado chefe do “gabinete paralelo” na Saúde

Isso o Bolsonaro não mostra: pedidos de recuperação judicial e falência crescem mais de 50% em maio

Castillo, candidato de esquerda do Peru Libre, se declarou vencedor do segundo turno da disputa na noite desta terça-feira (8). Porém, o Escritório Nacional de Processos Eleitorais (ONPE) ainda continua contando os votos.

Até as 11 horas da manhã (hora local) desta quarta-feira já haviam sido apuradas 98,34% das urnas, dando 50,20% dos votos para Castillo e 49,80% para sua adversária, a direitista Keiko Fujimori, do Fuerza Popular. A diferença entre os dois é de aproximadamente 72.000 votos.

Quem é Pedro Castillo, o virtual presidente eleito do Peru
Pedro Castillo, 51 anos, é um professor do ensino primário com mestrado em psicologia educacional. Ele ganhou notoriedade em 2017 ao liderar uma greve de professores em várias regiões do país que durou 75 dias. Os manifestantes exigiam, entre outras coisas, um aumento salarial para professores peruanos.

O símbolo da campanha de Castillo, um lápis gigante, mostra qual foi a pegada na sua caminhada eleitoral rumo à “Casa de Pizarro” –sede oficial do governo do Peru.

Em sua campanha, que lhe garantiu a vitória no primeiro turno, ele propôs que educação e saúde sejam considerados direitos fundamentais dos peruanos, bem como o combate à corrupção –calcanhar de Aquiles de sua adversária, Keiko Fujimori, filha do ditador Alberto Fujimori.

Castillo concorre à Presidência do país andino pelo partido Peru Libre, que se define como uma agremiação marxista-leninista. O virtual presidente eleito é um “ex-rondero” (membro da ronda de camponeses, uma organização de defesa da comunidade).

Subestimiado pela direita e pela esquerda, a candidatura de Castillo cresceu especialmente nas duas semanas que antecederam as eleições.

O lema de Pedro Castillo na campanha foi “nunca mais um homem pobre em país rico!”

Castillo propõe convocar uma nova Constituição Política, por meio de uma assembleia constituinte, para atribuir ao Estado um papel ativo como regulador do mercado. Nesse projeto, o virtual presidente peruano deseja a nacionalização de setores estratégicos como mineração, gás e petróleo.

Com informações da RT