lula vacinado

Lula sobre as 500 mil mortes por covid: “Isso tem nome e é genocídio”

O ex-presidente Lula se manifestou neste sábado (19/6) sobre a marca das 500 mil mortes no Brasil durante a pandemia.

“500 mil mortos por uma doença que já tem vacina, em um país que já foi referência mundial em vacinação. Isso tem nome e é genocídio. Minha solidariedade ao povo brasileiro”, escreveu o petista em suas redes sociais enquanto o presidente Jair Bolsonaro, até agora, não se pronunciou oficialmente acerca desse meio milhão de vidas perdidas.

Se Bolsonaro não teve coragem de olhar nos olhos as famílias das vítimas, por outro lado, não faltou solidariedade e empatia nas redes sociais.

“Deixo aqui uma mensagem de carinho e respeito para as famílias dos mais de 500 mil brasileiros que morreram pela Covid-19. Esse número retrata o quanto precisamos melhorar a eficiência do combate à Covid-19 e do sistema de saúde como um todo”, disse o ex-ministro da Saúde, Nelson Teich.

O país chora meio milhão de vidas perdidas, duas Hiroshimas e Nagazakis, porque Jair Bolsonaro escolheu assim. Por trás de cada decisão do atual presidente, houve sempre um só objetivo: alcançar a chamada imunidade de rebanho por contaminação.

Essa estratégia baseou-se na seguinte crença: a pandemia chegaria ao fim quando cerca de 60% a 70% da população fossem infectados, adquirindo naturalmente a imunidade contra o novo coronavírus. No início de 2020, esse cálculo era uma estimativa, uma hipótese científica que nunca poderia ser usada como forma de enfrentamento à Covid-19, como a Organização Mundial da Saúde (OMS) cansou de advertir, ciente de que alguns líderes consideravam implementá-la.

Mesmo assim, Bolsonaro a transformou em seu plano de governo. Ele não admitia ter esse objetivo porque sabia que significava condenar à morte centenas de milhares de compatriotas. Mas sua confissão não é necessária. A prova está em tudo o que disse, na forma como se comportou e continua se comportando e em todos os atos oficiais de seu governo ao longo da pandemia. Não foi loucura, ignorância, desconfiança da ciência que moveram Jair Bolsonaro. Foi a decisão de sacrificar vidas para manter intocada sua política econômica.

Leia também

Tivessem o mínimo de humanidade, Bolsonaro e seu ministro da Economia, Paulo Guedes, admitiriam o que a pandemia deixou claro: o neoliberalismo que tentam implementar à força significa o abandono da população. O coronavírus mostrou que um país necessita de um Estado fortalecido e disposto a investir e proteger seu povo. O momento era, como diz o presidente Lula, “de primeiro cuidar do povo, depois resolver a economia”.

Mas reduzir a atividade econômica e exigir do Estado investimentos, auxílio real e digno para os trabalhadores e as micro e pequenas empresas? Para quê? Para evitar a fome? Para salvar a vida dos mais frágeis, dos mais velhos, daqueles sem “histórico de atleta”? Não. A saída, eles decidiram, era a imunidade de rebanho.

Que outra explicação?

Difícil de acreditar, nós sabemos. Mas que outra explicação haveria para a insistência de Bolsonaro em dizer que a pandemia era uma “fantasia”, que a Covid-19 era uma “gripezinha”? Que outra explicação haveria para as repetidas vezes em que Bolsonaro citou justamente os índices de 60% ou 70% de pessoas que seriam, inevitavelmente, infectadas? Que outra explicação haveria para a insistência em promover aglomerações, em recusar o uso da máscara e em incentivar o povo a ir para a rua “como homem”?

Que outra explicação haveria para tantas batalhas jurídicas a fim de impedir governadores de adotar medidas de isolamento social? Que outra explicação haveria para a promoção da cloroquina enquanto ofertas de vacinas eram ignoradas? Que outra explicação haveria para a declaração, dada na última quinta-feira, de que a contaminação é um imunizante mais eficaz que a vacina? Que outra explicação se não a de que Bolsonaro quis, desde o princípio, que o maior número de pessoas ficassem doentes no menor espaço de tempo possível?

Hoje, mais de um estudo já concluiu que não há outra explicação. Pesquisas realizadas por instituições como a Universidade de São Paulo (USP), a Fundação Getulio Vargas (FGV), a Universidade de Michigan e a Universidade de Harvard afirmam, por meio da análise sistemática de documentos e declarações, que Bolsonaro disseminou o vírus intencionalmente. Implementou uma estratégia assassina, da qual não desiste nem diante de meio milhão de mortos.

Ele deixa, assim, à nação, uma só escolha: tirá-lo da Presidência e, depois, responsabilizá-lo por centenas de milhares de mortes que poderiam ter sido evitadas. Bolsonaro genocida não é um slogan, uma frase de efeito. É uma constatação. Ele só não matou mais porque a maior parte da sociedade brasileira reagiu ao seu plano e, hoje, farta de ser alvo de seu projeto, ocupa as ruas em plena pandemia, porque sabe que não há alternativa. É tirar Bolsonaro ou continuar sob ameaça. Exigir Fora Bolsonaro é lutar pela vida. Pela nossa e dos nossos.