Natalia Pasternak

CPI da Covid já tem ‘bala de prata’ contra o presidente Jair Bolsonaro [vídeo]

O presidente Jair Bolsonaro é tratado como um “vampiro” pela CPI da Covid, no Senado, que já tem a ‘bala de prata’ para abater seu alvo, isto é, o inquilino do Palácio do Planalto.

Uma das estratégias para legitimar o disparo da ‘bala de prata’, em seu tempo político, consiste na requisição de pareceres jurídicos sobre todas as violações à Constituição cometidas por Bolsonaro durante a pandemia.

A CPI, em círculo, começou ouvindo ex-ministros e ministros do governo Bolsonaro, laboratórios de vacinas, gestores de Saúde, cientistas, etc., mas agora a comissão acredita possuir elementos que comprovam a omissão do presidente da República, cujo resultado nefasto se aproxima de 500 mil mortes.

A comissão de inquérito ainda quebrou sigilos telefônicos e telemáticos, que provocou a seguintes reação do presidente Bolsonaro. O mandatário disse a correligionários que ‘isso não é nada bom’ para o governo.

O cerco está se fechando.

Leia também

  • O crime que pode pode derrubar o presidente Jair Bolsonaro
  • Dentro do avião, Bolsonaro ouve Fora Bolsonaro de passageiros [vídeo]
  • Lula amplia vantagem sobre Bolsonaro enquanto Ciro encolhe, segundo pesquisa XP/Ipespe
    • A CPI da Covid ouviu hoje os cientistas Natalia Pasternak e Claudio Maierovitch. Dentre os principais pontos abordados por eles estão:
    • O médico sanitarista Cláudio Maierovitch disse que “ninguém da área de saúde pública” defende a realização da Copa América no Brasil porque o torneio “beira a insanidade”;
    • A pesquisadora Natália Pasternak afirmou na comissão de investigação que Cloroquina é “mentira orquestrada pelo governo federal” e que defesa do medicamento “não é negacionismo”;
    • Maierovitch acusou o governo estimular a imunidade de rebanho à custa de vidas: é tratar a população como animais;
    • Natalia Pasternak diz que três de cada quatro mortes por covid poderiam ter sido evitadas;

    Veja o balanço dos depoimentos de hoje

    Mortes por covid
    O Brasil chegou a 484.235 óbitos e 17.296.118 infectados pelo coronavírus desde o início da pandemia, segundo boletim do Conass (Conselho Nacional de Secretários de Saúde) divulgado nesta sexta-feira (11/6). A média diária de mortes pela doença voltou a ultrapassar 1,9 mil no País.

    De acordo com o Conass, perderam a vida 2.216 pessoas e 85.149 novas infecções foram registradas nas últimas 24 horas em todo o Brasil.