violencia

Confronto deixa 178 jovens palestinos e 6 policiais israelenses feridos em Jerusalém

Pelo menos 178 palestinos e seis policiais israelenses foram feridos na mesquita de al-Aqsa, em Jerusalém, durante confrontos entre jovens palestinos e a polícia israelense nesta sexta-feira (7/5).

A informação foi atestada por médicos palestinos e pela polícia israelense.

A polícia israelense estava usando uniforme de combate quando os jovens palestinos começaram a atirar pedras.

Milhares de palestinos se reuniram na mesquita nesta sexta-feira, que é o terceiro local mais sagrado do Islã.

Os oficiais responderam novamente com balas de borracha e as chamadas granadas de choque, que emitem um forte brilho e servem para deslumbrar e confundir seus alvos.

Nas últimas semanas, houve distúrbios na área de Sheikh Jarrah, perto do centro histórico de Jerusalém.

Os palestinos participaram de manifestações contra o confisco em andamento de propriedades palestinas em Jerusalém Oriental.

Leia também

Especificamente, trata-se de quatro famílias palestinas que correm o risco de serem despejadas de suas casas porque os judeus israelenses afirmam que é deles.

No início deste ano, um tribunal de Jerusalém decidiu que as casas eram propriedade dos querelantes judeus. Eles alegaram durante o julgamento que os palestinos perderam o direito às casas durante a guerra que se seguiu ao estabelecimento do Estado de Israel em 1948.

O caso já foi encaminhado para a Suprema Corte israelense. O tribunal deve decidir na próxima semana se as famílias afetadas podem apelar da primeira decisão.

A agitação em Jerusalém Oriental trouxe a ONU para o tabuleiro novamente.

“Exorto Israel a parar a demolição e deportação e a cumprir os requisitos da lei internacional”, disse o enviado da ONU ao Oriente Médio, o norueguês Tor Wennesland, na quinta-feira (6/5).

França, Alemanha, Itália, Espanha e Grã-Bretanha também enviaram na quinta-feira um apelo conjunto a Israel para não expandir seus assentamentos na Cisjordânia.

“Instamos o governo israelense a reverter sua decisão de prosseguir com a construção de 540 unidades de assentamento na área de Har Homa E na Cisjordânia ocupada e encerrar sua política de expansão de assentamentos nos territórios palestinos”, disse o documento.

Bem mais de meio milhão de colonos judeus vivem na Cisjordânia ocupada e na parte oriental de Jerusalém.