Lula e Requião

[LIVE] Requião se revolta com propostas de privatização de Lula

  • Ex-presidente cogitou privatização parcial de Furnas, Caixa Econômica e Eletrobras
  • Ex-senador do Paraná, Requião condena o discurso pró-mercado do petista

LIVE – REQUIÃO – QUE ISSO COMPANHEIRO LULA ÀS 19H

O ex-senador do Paraná, Roberto Requião (MDB-PR), ficou baste desolado com a entrevista do aliado e ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), na quinta-feira (1º/4), à BandNews FM, quando o petista disse ser contra o “governo empresarial”, mas não descartou a possibilidade de privatizações. Ao ser questionado sobre estatais inchadas e o papel do Estado na economia, Lula disse que poderia tornar algumas delas empresas de capital misto.

O ex-presidente Lula citou Furnas, Caixa Econômica Federal e Eletrobras, como exemplos de empresas que podem mudar de regime. Também lembrou que Petrobras e Banco do Brasil seguem o modelo de capital misto em declarações dadas ao jornalista Reinaldo Azevedo, no programa “O É da Coisa”.

Também criticou o ministro da Economia, Paulo Guedes, “que só sabe vender”, sem pensar na parcela mais pobre da população.

“O Guedes é aquele marido que, ao invés de arrumar um emprego, ele quer sair vendendo os móveis, o fogão, a geladeira… Quer tudo menos trabalhar”, disparou o ex-presidente.
No entanto, Requião vê a fala de seu companheiro Lula como o continuísmo do atual modelo Guedes.

Em um texto divulgado nas redes sociais, neste feriado de Páscoa, o emedebista criticou o programa econômico do PT. Após ler 210 páginas do documento, Requião disse que Paulo Guedes, Henrique Meirelles, Marcos Lisboa e Joaquim Levy –todos defensores do mercado e do neoliberalismo– assinariam as propostas petista.

Leia também

Magoado com Lula, Requião enviou hoje a seguinte missiva ao ex-presidente:

“Caríssimo Presidente Lula,

Ficamos chocados com a sua afirmação de que estaria a favor de transformar empresas estatais, como a Caixa Econômica Federal, hoje totalmente controlada pelo Estado, em empresa de economia mista sob controle parcial privado. Também nos surpreendeu sua concordância com o Governo atual na estratégia de privatização da Eletrobrás, a qual, junto com a Petrobrás, é o eixo da independência energética brasileira.

Supomos que esteja sendo mal aconselhado na área econômica. Não há nenhum sentido em privatizar a Caixa, mesmo que parcialmente. É uma empresa que rende dividendos expressivos para a área assistencial do Governo, há mais de um século, e desempenha papel estratégico no desenvolvimento social do país. Privatizá-la significa efetivamente doar uma parte dela a particulares sem qualquer justificativa econômica ou moral.

No caso da Eletrobrás, estamos diante de um dos maiores riscos estratégicos para a economia brasileira, na medida em que um sistema energético integrado e bem articulado ficará sob a ameaça de injustificável desintegração. Além disso, é uma empresa monopolista em várias funções, não fazendo qualquer sentido que seja entregue ao setor privado com seu apetite por lucro e com o descaso na operação, conforme se viu recentemente em Rondônia.

Mais assustador ainda do que o que assinalam essas indicações privatistas – neste caso, tendo em vista o que propõe o próprio programa do PT recém-lançado – é o que ali se expressa como um compromisso com o equilíbrio macroeconômico. Isso é puro conservadorismo. É um compromisso, sim, com a recessão, pois uma economia que não tem desequilíbrios macroeconômicos, sobretudo a partir de recessão, jamais retomará o crescimento econômico.

Observe os Estados Unidos, o Japão, a União Europeia, a Inglaterra – ninguém faz mais equilíbrio orçamentário no mundo, pois sabe que se trata de um suicídio econômico e social. Equilíbrio macroeconômico é manter a demanda no nível da oferta, o que, num quadro de recessão, impede o investimento público deficitário, chave do keynesianismo. Os governos neoliberais inventaram, além disso, o absurdo do teto orçamentário, tão contraditório que o próprio Governo quer agora se livrar dele, sob protesto de economistas ortodoxos e conservadores. (Entretanto, enquanto subsistir o governo Bolsonaro, não somos contra o teto de gastos, pois sem teto ele teria carta branca para gastar.) Para o combate à covid, sim, é importante furar o teto de gastos; outros gastos deveriam ser vistos caso a caso.

Essas observações acentuam nosso alinhamento com a essência de seu projeto político. Contudo, não podemos estar de acordo com as questões políticas levantadas acima. Fazemos isso por lealdade ao próprio país. Pretendemos nos juntar a milhões de brasileiros que veem no senhor um projeto de mudança para o país. Estamos certos que a orientação macroeconômica do futuro governo que vier a chefiar repita a espetacular performance de 2010, quando saímos de uma depressão para um crescimento de 7,4%, graças, sobretudo, a investimento deficitário.

Grande abraço, Roberto Requião, advogado e político; José Carlos de Assis, economista.

Curitiba/Rio, 3 de abril de 2021.”