salles

PSOL aciona Justiça para anular exoneração do Superintendente da PF no Amazonas

A bancada do PSOL na Câmara dos Deputados – através dos parlamentares Vivi Reis (PA), David Miranda (RJ), Fernanda Melchionna (RS) e Sâmia Bonfim (SP) – entrou com uma ação popular na Justiça Federal do Amazonas pedindo que seja sustada e declarada nula a portaria que exonerou o superintendente da Polícia Federal no estado, Alexandre Saraiva.

De acordo com a deputada Vivi Reis, uma das autoras da ação, a troca no comando da Polícia Federal amazonense “está sendo feita unicamente com o objetivo de permitir a liberação de ações de empresários que exploram madeira ilegal na Amazônia e que vêm sendo alvo de Operações da PF, tudo sob pressão do ministro Salles. O objetivo da troca é unicamente enfraquecer a fiscalização”, afirma.

LEIA TAMBÉM
Chile: deputados aprovam projeto de lei “morte digna” para legalizar a eutanásia

Prefeito de Curitiba, Rafael Greca, sofreu AVC; vice Eduardo Pimentel deve assumir o cargo

Por 276 votos a 164, Câmara aprova reabertura de escolas em meio do avanço da pandemia

Saraiva foi substituído no começo do mês, exatamente um dia de depois de ter pedido ao Supremo Tribunal Federal (STF) que investigue o ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles.

Na notícia-crime apresentada por Saraiva, o então superintendente justificou que as ações do ministro poderiam dificultar a ação fiscalizadora dos agentes públicos no trato de questões ambientais.

Histórico
No último mês de dezembro, a Polícia Federal, em conjunto com o Ministério Público Federal, realizou a Operação Handroanthus GLO que resultou na maior apreensão de madeira da história do Brasil, na divisa dos estados do Pará e Amazonas. Na operação foram apreendidos mais de 200 mil metros cúbicos de madeira, que estavam em situação irregular.

Depois da apreensão, o ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, esteve duas vezes na região em que ocorreu a apreensão da madeira, mas ao contrário de apoiar os trabalhos realizados pela Polícia Federal, o ministro criticou publicamente a operação.

Durante as visitas, Salles ainda se encontrou com diversos empresários que foram alvos da Operação Handroanthus GLO. Na notícia-crime apresentada ao Supremo, o delegado acusa o ministro Salles, junto com o presidente do Ibama, Eduardo Bim, e o senador Telmário Mota (PROS-RR) de integrarem organização criminosa e de exercerem advocacia administrativa, atuado na defesa de empresários acusados de extraírem ilegalmente a madeira.

As informações são do PSOL