globo pobreza

Nós precisamos falar sobre o aumento da pobreza na pandemia

Antes de mais nada, uma informação básica: a pobreza começou a aumentar antes mesmo da pandemia em virtude do desemprego causado pelo governo do presidente Jair Bolsonaro.

A volta da miséria e da fome já estava pré-datada com a precarização da mão de obra e a reforma da previdência, duas indeléveis marcas do consórcio militar-miliciano que governa o Brasil desde 1º de janeiro de 2019.

Essas ações que reduziram salários, informalizou e retardou a aposentadoria de milhões de trabalhadores brasileiros contou com o entusiasmo da velha mídia corporativa –Globo, Folha, Estadão, Valor, Veja, et caterva –, portanto, pode-se assegurar, sem medo de errar, que os barões da mídia também têm culpa no aumento da pobreza.

O número de brasileiros que vivem na pobreza quase triplicou em seis meses, diz a Fundação Getúlio Vargas (FGV).

Leia também

Os jornalões apoiaram as reformas que empobreceram os brasileiros, aumentando a pobreza, porque hoje em dia eles são um banco. Eles não fazem jornalismo há muito tempo. Usam as informações para especular em proveito próprio e beneficiar os fundos de investimentos.

Funciona assim: a redução de direitos dos servidores públicos, o desemprego de um pai de família, desde que garanta a taxa de lucratividade de uma empresa, irá produzir dividendos para os tais investidores que sequer moram no país.

O número de pobres saltou de 9,5 milhões em agosto de 2020 para mais de 27 milhões em fevereiro de 2021, afirma a FGV.

O problema nisso tudo é o cinismo desses veículos de comunicação da velha mídia. Eles produziram tudo isso aí, junto com Bolsonaro e Paulo Guedes, ganham fortunas, e ainda pedem para que a sociedade socorra os pobres fazendo doação de alimentos. A Globo e a Folha, por exemplo, que são um banco, deveriam ter a iniciativa de destinar parte do patrimônio para o combate à pobreza que produziram.

Os bancos, idem, continuam a sugar o orçamento da União com a complacência do governo e da mídia.

Nós precisamos qualificar melhor essa fala sobre o aumento da pobreza na pandemia. Fica aqui o convite.