MP acata ação do PSOL e abre investigação sobre financiamento de mansão de Flávio Bolsonaro

O Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (MPDFT) abriu uma investigação para apurar irregularidades na concessão de um financiamento pelo Banco de Brasília (BRB) para a compra de uma mansão de R$ 6 milhões pelo senador Flávio Bolsonaro, filho do presidente Jair Bolsonaro.

A investigação foi aberta após uma representação do deputado federal do PSOL Ivan Valente, que apontou que as condições do financiamento fugiam aos padrões adotados pelo mercado. Um dos pontos apontados foi a renda oficial de Flávio e sua mulher, a dentista Fernanda, inferior ao exigido para um financiamento de R$ 3 milhões.

LEIA TAMBÉM
Nós precisamos falar sobre o aumento da pobreza na pandemia

IBGE suspende provas para recenseadores devido corte no orçamento do Censo 2021

Doria acelera a frente ampla com o PCdoB

O BRB, instituição ligada ao governo do Distrito Federal, financiou R$ 3,1 milhões. O imóvel de 1.100 m² de área construída, em um terreno de 2.500 m², custou R$ 6 milhões.

A casa no Setor de Mansões Dom Bosco, no Lago Sul, bairro nobre da capital federal, foi adquirida pelo filho mais velho do presidente Jair Bolsonaro em janeiro deste ano.

Com base na escritura do imóvel, o valor compromete 50% da renda do casal. Juntos, segundo o documento, eles têm renda líquida de R$ 36.957,68. Flávio declarou ganhar R$ 28.307,68 e sua mulher, R$ 8.650.

Os valores somados são menores que o mínimo exigido pelo BRB para a contratação de financiamento nessas condições. Segundo simulador disponível no site da instituição, nessa linha, o tomador precisaria ganhar pelo menos R$ 46.401,25.

O caso ficará sob investigação na Promotoria de Justiça de Defesa do Patrimônio Público e Social (Prodep).

As informações são do PSOL