EUA aplicam novas sanções à Rússia e expulsam 10 diplomatas russos

A Casa Branca norte-americana revelou ter aplicado novas sanções à Rússia por suposto envolvimento em desinformação, interferência e ciberataques nos EUA, e expulsado diplomatas russos de Washington.

LEIA TAMBÉM
Lula dispara e vai a 52% em pesquisa na véspera do julgamento no STF

No dia que o pedágio aumentou, governo anuncia duplicação na BR-277 com dinheiro público

Requião prevê ‘Lula Livre’ no STF outra vez nesta quinta-feira

A administração de Joe Biden, presidente dos EUA, anunciou novas sanções contra a Rússia e a expulsão de dez diplomatas, em retaliação por suposta autoria de hackeamento e interferência nas eleições presidenciais norte-americanas, segundo a Casa Branca.

Ordem executiva de Biden
Joe Biden, que emitiu a ordem executiva para sancionar, justificou a medida tomada devido ao “risco extremo à segurança nacional” vindo da Rússia.

Ele citou “tentativas de minar a realização de eleições democráticas, livres e justas e instituições democráticas dos Estados Unidos e de seus aliados e parceiros”.

A Casa Branca indica ter sancionado “32 entidades e indivíduos” devido às supostas tentativas de desinformação e interferência nas eleições presidenciais de 2020 dos EUA por parte de Moscou.

De acordo com o comunicado, os dez diplomatas russos expulsos são da missão diplomática russa em Washington, e entre eles há representantes dos serviços de inteligência da Rússia.

“Hoje [15], a administração Biden está tomando medidas para impor custos à Rússia por ações de seu governo e serviços de inteligência contra a soberania e os interesses dos Estados Unidos”, relata o comunicado.

“Esta ação procura interromper os esforços coordenados de oficiais, agentes e agências de inteligência russos para deslegitimar nosso processo eleitoral”, indica, citando alegados grupos espiões perpetradores do ciberataque SolarWinds, e se mostrando confiante baseando-se em afirmações de organizações de inteligência sobre o caso.

A ordem executiva do atual presidente norte-americano também referiu o “uso da corrupção transnacional para influenciar governos estrangeiros; perseguir atividades extraterritoriais visando dissidentes ou jornalistas; minar a segurança em países e regiões importantes para a segurança nacional dos Estados Unidos; e violar princípios bem estabelecidos do direito internacional, incluindo o respeito à integridade territorial dos Estados.”

Além destas restrições, o Departamento do Tesouro proibiu “a participação de instituições financeiras americanas no mercado primário de títulos denominados em rublo ou não rublo emitidos após 14 de junho de 2021 pelo Banco Central da Federação da Rússia, pelo Fundo Nacional de Riqueza da Federação da Rússia, ou pelo Ministério das Finanças da Federação da Rússia”.

Dentre os sancionados pelo Departamento do Tesouro dos EUA, há cinco indivíduos e três empresas da Crimeia.

OTAN apoia medida dos EUA
A União Europeia, Austrália, Reino Unido e Canadá também participaram da imposição de sanções à Crimeia.

“Os aliados da OTAN apoiam e se solidarizam com os Estados Unidos, após seu anúncio de 15 de abril de ações para responder às atividades desestabilizadoras da Rússia”, declarou na quinta-feira (15) a Aliança Atlântica.

As informações são da Agência Sputnik Brasil