renan calheiros cpi da covid

Em nome de bancos, Folha atua para Renan aliviar situação de Bolsonaro na CPI da Covid

  • Ministro Paulo Guedes, da Economia, está no radar de convocações da CPI da Covid
  • Bolsonaro autoriza nova redução de salário e jornada de trabalhadores

A Folha de S. Paulo age como bombeira e porta-voz da velha mídia corporativa: “Governo e aliados de Renan pedem moderação em CPI, e senador avalia baixar o tom”, mancheteou o jornalão nesta quinta-feira (29/4).

Antes de prosseguirmos, um esclarecimento fundamental ao leitor: há muito tempo a Folha de deixou de fazer jornalismo; a empresa atua como uma instituição financeira e especula com as informações em proveito próprio –PagBank, PagSeguro, Moderninha, etc.– e do sistema especulativo.

A pressão para que Renan Calheiros (MDB-AL) afrouxe na relatoria da comissão de investigação no Senado acorre após o presidente Jair Bolsonaro, por meio de medidas provisórias, autorizar nova redução de salário e jornada de trabalhadores, bem como complementar pagamento de folha de empresas na pandemia.

O recado da Folha e do “mercado financeiro” é dirigido diretamente a Renan, confirmado na CPI, apesar da oposição de Bolsonaro.

Dentre os que estão para ser convocado pela CPI está o ministro da Economia, Paulo Guedes, que deve ser ouvido sobre o auxílio emergencial e outras medidas econômicas de contenção da pandemia. É este que a velha mídia tenta blindar a qualquer custo.

Nas últimas horas, o presidente Bolsonaro açulou seus aliados no Congresso para judicializar a participação de Renan na comissão do Senado, cujo questionamento será relatado no Supremo Tribunal Federal (STF) pelo ministro Ricardo Lewandowski.

CPI da Covid ao vivo

Leia também

CPI da Covid define nesta quinta cronograma de trabalho

A CPI da Covid se reúne nesta quinta-feira (29/4) para analisar o plano de trabalho que deve ser proposto pelo relator, senador Renan Calheiros. Na reunião de terça-feira (27/4), o parlamentar antecipou alguns encaminhamentos que pretende sugerir para as investigações. Renan defende, por exemplo, a convocação do atual ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, e dos três antecessores: Eduardo Pazuello, Nelson Teich e Luiz Henrique Mandetta.

O relator da CPI da Covid anunciou ainda que pretende solicitar informações sobre contratações e tratativas para a aquisição de vacinas, além de todas as regulamentações do governo federal para temas como isolamento social e quarentena. Renan Calheiros afirmou que deve solicitar registros do Poder Executivo sobre medicamentos sem eficácia comprovada e “tratamentos precoces”.

O plano de trabalho ainda não foi divulgado oficialmente. O relator pretende incluir no texto sugestões apresentadas por outros integrantes da CPI da Pandemia, como Alessandro Vieira (Cidadania-SE), Eduardo Girão (Podemos-CE), Humberto Costa (PT-PE) e Randolfe Rodrigues (Rede-AP).

“Eu queria combinar para darmos um prazo para que quem quiser apresentar propostas para um plano de trabalho possa fazê-lo. Para que, eventualmente, não pareça que essa é uma proposta do Alessandro ou do Randolfe ou do Renan ou do Humberto Costa apenas. Tudo aqui será votado pela maioria, e eu, à medida  que o trabalho avançar, serei cada vez menos um relator monocrático, porque quero ser um sistematizador, um redator de tudo que evidentemente se discute aqui”, disse Renan Calheiros na última terça-feira.

Requerimentos na CPI

Até a manhã de quarta-feira (28/4), a CPI da Covid recebeu 173 requerimentos — 58 deles para a convocação de testemunhas. Além dos quatro ministros da Saúde que atuaram durante a pandemia de coronavírus, há requerimentos para a convocação de outros três auxiliares do presidente Jair Bolsonaro: Paulo Guedes (Economia), Marcos Pontes (Ciência, Tecnologia e Inovações) e Wagner Rosário (Controladoria-Geral da União).

Se os requerimentos forem aprovados, Paulo Guedes deve ser ouvido sobre o auxílio emergencial e outras medidas econômicas de contenção da pandemia. Marcos Pontes será chamado a falar sobre o desenvolvimento de vacinas contra a covid-19, enquanto Wagner Rosário deve depor sobre o eventual desvio de recursos transferidos pela União para estados e municípios.

Os senadores apresentaram ainda requerimentos para ouvir o ex-secretário especial de Comunicação Social da Presidência da República, Fabio Wajngarten. Em entrevista à revista Veja, ele afirmou que houve “incompetência” e “ineficiência” de gestores do Ministério da Saúde para negociar a compra de vacinas.

Outros requerimentos sugerem a convocação do ex-ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, para esclarecer o processo de aquisição de insumos e vacinas no mercado internacional. Os parlamentares apresentaram ainda um pedido para a convocação do ex-comandante do Exército, general Edson Pujol. Durante a gestão dele, o Laboratório do Exército intensificou a produção de cloroquina, um medicamento sem eficácia comprovada contra a covid-19.

Outro nome que aparece entre os requerimentos de convocação é o do ministro Marco Aurélio Mello, do Supremo Tribunal Federal (STF). Em março do ano passado, ele decidiu que governadores e prefeitos podem adotar medidas para o enfrentamento do coronavírus — assim como o presidente da República.

O diretor-presidente da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), Antônio Barra Torres, também figura entre os potenciais convocados. Ele deve falar sobre ações de vigilância e mapeamento da pandemia; promoção de tratamentos ineficazes; falhas no planejamento de fornecimento de insumos básicos como oxigênio e medicamentos; e atraso e omissão para a compra de vacinas.

Um requerimento à Presidência da República solicita informações sobre os deslocamentos do presidente Jair Bolsonaro pelo comércio de Brasília e pelo Entorno do Distrito Federal desde março do ano passado. Além de datas e locais frequentados, a planilha deve informar todas as “autoridades envolvidas” nas movimentações.

Desvio em estados e municípios

O suposto desvio de recursos repassados pela União a estados e municípios é tema de uma série de requerimentos de convocação e pedidos de informação. Os senadores sugerem a oitiva do diretor-geral da Polícia Federal, Paulo Maiurino. Se o requerimento for aprovado, ele deve expor detalhes de 76 operações realizadas para investigar desvios de R$ 2,1 bilhões em contratos firmados por estados e municípios no enfrentamento à pandemia.

Também devem ser convocados para discutir o assunto representantes do Fórum dos Governadores e do Conselho Nacional de Secretários de Saúde, além do prefeito de Manaus (AM), David Almeida, e do secretário de Saúde do Amazonas, Marcellus Campêlo.

O assunto também é objeto de requerimentos de informação ao Tribunal de Contas da União (TCU), ao Ministério Público Federal, aos governos dos 26 estados e do Distrito Federal e às prefeituras de todas as capitais e municípios com até 200 mil habitantes. Também devem prestar informações sobre o tema as diretorias-gerais de Polícia Civil, as Procuradorias-Gerais de Justiça e os tribunais de contas dos 26 estados e do Distrito Federal.