allan dos santos

Bolsonarista Allan dos Santos perde ação de danos morais movida contra Revista Fórum

Em decisão proferida nesta segunda-feira (13), a juíza Rita de Cássia Rocha, do 5º Juizado Especial Cível de Brasília considerou como improcedente o processo por danos morais movido pelo blogueiro bolsonarista Allan dos Santos, do Terça Livre, contra a Revista Fórum.

Allan acionou a Justiça por conta de uma reportagem da Fórum, de abril de 2020, sobre uma nota de repúdio da Conib (Confederação Israelita do Brasil) contra o blogueiro após ele manifestar comentários considerados pela entidade como anti-semitas.

O blogueiro, que era investigado pela CPMI das Fake News, havia postado o seguinte comentário nas redes sociais: “Omitir o uso do (?) cloroquina é o mesmo que deixar judeus na dúvida entre chuveiro e câmara de gás”. Em resposta, a Conib afirmou que “antissemitas e oportunistas estão sempre à espreita para, em momentos como este, fazerem ataques contra judeus e outras minorias”.

LEIA TAMBÉM
Lira “desmente” Estadão sobre viagem de Bolsonaro para não sancionar Orçamento

Twitter põe alerta de fake news em postagem de Eduardo Bolsonaro

Uma cidade do tamanho de Ponta Grossa, com 355 mil pessoas, desapareu na pandemia [vídeo]

No parecer do Juizado, há a observação de que a reportagem “teve cunho meramente informativo, sem transbordar os limites da liberdade de imprensa” e que, portanto, não teve o propósito de “difamar, injuriar ou caluniar”.

“Não há que se falar em indenização pela perda de uma chance e em violação aos direitos da personalidade do recorrente, tampouco em exclusão da matéria do site da recorrida”, concluiu a Justiça, que também apontou ausência de danos ao blogueiro decorrente da notícia.

Para o advogado da Fórum, Gabriel Azevedo Borges, do escritório Santo, Borges, Sena Advogados, uma eventual exclusão da notícia, conforme solicitado pelo blogueiro, configuraria em censura prévia – algo que só pode ser admitido em situações excepcionais, de ilicitude flagrante.

“Neste caso, a matéria se limitou a narrar o lamentável posicionamento do autor, repudiado por fazer apologia de medicamento sem eficácia comprovada contra a COVID-19 em comparação com o holocausto. No nosso entendimento, prevaleceu a liberdade de imprensa”, afirmou o advogado.

As informações são da Revista Fórum