enio verri escola sem covid

Aulas presenciais suspensas: um debate necessário

  • Os que pedem educação essencial, na verdade, são contrários à escola pública
  • Deputados que querem reabrir escolas na marra sempre votaram a favor de cortes na educação pública
  • Bancada da ‘escolas com covid’ tem histórico de sabotagem ao ensino público

Por Enio Verri*

Em tempos de agravamento da crise da pandemia, em que estamos lutando para superar os problemas vividos na saúde pública e salvar vidas, testemunhamos autoridades e lideranças políticas atacarem educadores para impor suas decisões. É o caso das discussões em torno da volta às aulas presenciais.

Um grupo que nunca defendeu professores e professoras, e nunca apoiou a valorização daqueles que dão sua vida de trabalho na sala de aula, agora transformam essa classe novamente em alvo. E os culpam por ainda estarmos com as aulas da rede pública de ensino suspensas.

Ora, se nos dias de hoje, não temos como liberar que estudantes e professores retornem ao ambiente escolar, é porque ainda estamos na briga para que todos os brasileiros e brasileiras tenham garantido o direito à imunização gratuita. Buscamos meios para que a saúde pública tenha os recursos e instrumentos necessários para assegurar uma volta sem pôr em risco a vida de ninguém.

Os que hoje gritam para enquadrar a escola como “essencial”, nunca colocaram a educação como prioridade. Pelo contrário, sempre votaram a favor de cortes na educação pública, nunca defenderam mais investimentos na educação básica, nas universidades, na ciência e tecnologia.

A história dos profissionais da educação é marcada pela luta de uma educação de qualidade, de esforço para manter uma profissão mais pela vocação do que pelo salário e condições do ensino público. Os professores e professoras é que, há tempos, tentam fazer todos enxergarem a educação como algo essencial na vida de qualquer cidadão. Tentam fazer com governantes vejam o quanto importa para o país investir em melhorias nas escolas. Mas essas questões sempre foram negligenciadas.

Leia também

Na pandemia, são os educadores que estão se desdobrando em horários extensos para manter seus alunos envolvidos com o conteúdo durante o ano letivo. Mas as desigualdades e dificuldades são imensas e até hoje não foram vencidas. Uma parte sofre sem acesso à internet, ou não possuem equipamentos para acompanhar as aulas virtuais. E como falar em votar um projeto de lei para classificar a Educação como atividade essencial, se não conseguimos aprovar essas medidas?

Abrir escolas na pior fase da pandemia de covid-19 é colocar professores, alunos e parentes em risco da transmissão de coronavírus. Isso sem mesmo ter vacinado essas pessoas. Estamos falando de recordes de mortes diárias. E não teremos salas de aulas ocupadas com a contínua perda de vidas.

De acordo com dados levantados pelo grupo Rede Escola Pública e Universidade (Repu), o número de casos de covid-19 entre professores que voltaram às aulas presenciais é três vezes maior que a média da população com a mesma faixa etária. Já, em outros países, o Reino Unido registrou crescimento rápido da nova variante da Índia, da mesma forma aconteceu na África do Sul com outra variante. O aumento nos dois casos está ligado à reabertura das escolas.

A angústia é de todos com as escolas fechadas. Mas precisamos discutir, antes da decisão de reabri-las, como levar vacina para esses grupos. É necessário debater como os hospitais e profissionais da saúde vão suportar mais pessoas infectadas e precisando de atendimento médico, nesse momento. Vamos lutar por inclusão digital, medidas de cuidados da população, qualificar o ensino remoto e valorizar o papel do professor na nossa sociedade.

*Enio Verri é economista a professor aposentado do Departamento de Economia da Universidade Estadual de Maringá (UEM) e está deputado federal pelo Partido dos Trabalhadores do Paraná.