arilson chiorato tarifa agua sanepar

Água é essencial, NÃO ao aumento da SANEPAR!

Arilson Chiorato*

Na semana que passou, foi anunciado novo reajuste na tarifa da Sanepar, que representa o segundo aumento em 2021. Mesmo se tratando de uma empresa pública, que deveria beneficiar a população paranaense, a Direção da Sanepar, que é indicação política do Governador, tem demonstrado empenho em maximizar os lucros dos acionistas e, para isso, preterem os paranaenses.

Uma empresa pública deveria colocar em primeiro lugar o interesse dos contribuintes, porém, não é essa a realidade. Pois, não é interesse do Governo propor alternativas que visem reduzir as desigualdades e cobrar pela tarifa, valor condizente com a realidade econômica dos consumidores.

A pandemia evidencia a necessidade da água, seja para higienização, saneamento básico ou alimentação. O enfrentamento à pandemia passa pelo acesso à água e este deveria ser uma política do Governo, através de isenção de tarifas durante o período de calamidade pública, de redução do valor da tarifa e mudanças como a ampliação de metro cúbico referente à tarifa mínima.

Pelo contrário, o Governo atua na contramão das necessidades do povo paranaense, em um momento onde a condição financeira das pessoas está cada vez mais crítica, onde a fome e a miséria infelizmente ganham espaço – o Governo aumenta o valor da tarifa pela segunda vez em um quadrimestre.

Leia também

É fundamental pontuar que esta é uma opção política, pois, o Executivo tem autonomia para interferir nas decisões das empresas públicas, até porque, suas direções são resultado de indicação política. A política da Sanepar, é também política do Governo do Estado do Paraná e, isto precisa ficar evidente.

Como se não bastasse, esta situação se repete em outras empresas públicas, que poderiam contribuir com políticas contundentes de combate aos impactos da pandemia, em especial os econômicos.

Uma empresa pública deve ter compromisso e responsabilidade social, deve garantir que os cidadãos tenham acesso a serviços essenciais de qualidade e com preço acessível e justo. Isso remete a qualquer situação, independente de se tratar de período de calamidade pública. Porém, é inegável que o acesso à água durante a pandemia, principalmente porque a vacinação está atrasada e devido também ao alto grau de contágio, faz com que a água e o sabão sejam grandes aliados para evitar o contágio ao vírus.

O aumento do valor da tarifa em plena pandemia é mais uma atitude irresponsável do Governo do Estado, que não tem atuado de acordo com as demandas das classes trabalhadoras. O Governo já dificultou o acesso à vacina quando negou a aquisição de 13 milhões de doses da farmacêutica Pfizer, agora dificulta o acesso da população ao bem mais essencial e universal para o ser humano, que é a água.

*Arilson Chiorato é Deputado Estadual, Presidente do PT – Paraná e Mestre em Gestão Urbana pela PUC-PR.